Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

quarta-feira, 6 de julho de 2016

6 de julho de 2016.

Desejo satisfeito não é a solução final, é apenas a porcaria de uma lanterna que acabou de acordar perto de uma fome que ainda dorme.

“Copo Vazio” – Gilberto Gil.
Arrepia a espinha e os pelos da alma em mim. Mas a alma não tem pelos e nem espinha.
E eu nem sei se tenho alma. Mas o arrepio... Sei lá onde esse arrepio esta boiando quando eu ouço essa música.

Joseph Campbell Apaixonado
Essa coisa do vegetarianismo... Talvez não seja o que a maioria dos vegetarianos pensam quando eles falam sobre isso, mas há um fato: os nossos frigoríficos e matadouros, não tem aquela harmonia mística que há entre os povos primitivos e os animais caçados. O ritual, o círculo eterno, o perdão, a benção, o sentido transcendente.
Ser vegetariano pode ser algo para uma minoria e tal, mas é fato: a humanidade não caça, não come carne de maneira nobre há muitos anos. O que perdemos com isso? Difícil saber.
Mas Joseph Campbell nos lembra duma coisa: os nossos mais antigos antepassados, quando deixaram de ser predominantemente caçadores e começaram a se tornar mais fixos à alguma região e começaram a tornar-se predominantemente agricultores, todo o seu vocabulário espiritual mudou. Outros deuses, outro universo.

E em 2016, qual é o nosso?

Nietzsche Apaixonado
A música tem muito de retardatária. Um "canto de cisne" de toda uma cultura e seus pensamentos, sentimentos e mundo interior. Talvez Bach não conseguiria ouvir um Beethoven, assim como Cartola talvez não conseguisse compreender um MC Bin Laden. Assim como a Tropicália da década de 1960 foi o efeito de um canibalismo cultural que existia muitos anos antes e que antes de "morrer", em seu último suspiro gerou este movimento cultural brasileiro.
A música também tem muito de particular, mais do que muitos que falam da música como algo "universal" costumam falar.
Nietzsche insiste muitas e muitas vezes o quanto a música é uma chave para ser conhecer um povo, uma cultura, uma época.
- Ah, isso é razoável e muita gente pesquisa desse jeito.
- Sim, sim, mas... Não sei se com tanto empenho...

Alguém já disse: "Nenhum detalhe pequeno demais, nenhum esforço grande demais."
Tudo bem, mas considere o seguinte.
É bom ter uma postura meio nobre e elitizada quanto a quantidade enorme de fofocas, mesquinharias e intrigas e outras coisas pequenas e que tanto nos atrapalham na amizade, na família e no serviço. Fique alerta, mas passe direto por essas porcarias. 
(Inspirado em Baltasar Gracian)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.