Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

quinta-feira, 10 de março de 2016

10 de fevereiro de 2016

Muitas coisas aconteceram desde a última vez que escrevi aqui. A mais significativa é que uma ex-colega de colégio, hoje amiga de FaceBook, perdeu recentemente o pai por problemas de saúde. Isso é algo mais significativo que um ex-presidente ser levado pela polícia a depor. Sim, pois é algo mais próximo e temos que começar cuidando primeiro de quem esta próximo de nós. O Brasil esta como esta, justamente porque perdemos o foco muito facilmente e esquecemos este detalhe fundamental.

E mais uma vez o Jornal da Itatiaia termina lendo uma nota oficial do PSDB, bem no finalzinho para ninguém comentar e tal. Assim como aconteceu durante o auge do “Escândalo da Lei 100”. Depois a Itatiaia fica magoada quando criticamos a simpatia que eles têm do PSDB.

Sexta-feira passada, dia 4 de março de 2016, o ex-presidente Lula foi levado a depor à Polícia Federal. O termo técnico é “condução coercitiva”. Não teve algemas e, pelo menos por enquanto, nenhuma filmagens dos bastidores vazou. Mas o termo é esse: “coercitiva”.
Se fosse um Fernando Henrique Cardoso ou um Fernando Collor, o trem não ia pegar fogo: eles estão há muito tempo fora do poder e não tem aliados quem tenham esse perfil de “cabeça quente”. Por exemplo, quando eu penso em Fernando Henrique Cardoso eu lembro principalmente de: desemprego, ajuda aos bancos e daquela foto dele nas capas dos livros: sorridente (com discrição), terno, pernas cruzadas e sentado com as costas levemente inclinadas para trás (denotando informalidade). A pose é repetida tantas vezes que a foto deve ser a mesma em todos os livros. Eu é que não devo ter prestado atenção. Mas o fato é que é difícil imaginar simpatizantes do Fernando Henrique, iguais a ele, saindo nas ruas protestando e tal. Lembrando que para a Nova Direita, que surgiu com a chegada do Lula ao poder, o Fernando Henrique Cardoso e seu PSDB é comunista-bolchevique-socialista-filhote-de-Cruz-Credo do mesmo jeito que o PT. Mas a gente sabe que a Nova Direita diz essa bobagem apenas para não se expor: a responsabilidade de ter que apontar uma alternativa ao PT.
Enfim, Lula foi levado pela Polícia Federal a depor. A Polícia Federal deve estar virando o nosso “F.B.I.” e daqui a pouco vai virar um refrão nacional, como acontece nos E.U.A., os ditos: “ah, esses Federais!” Lembrando que nos filmes mocinhos e bandidos dizem isso.
Quando penso em Lula e nos Governos do PT eu me lembro dos casos escabrosos de corrupção e daquela irresponsabilidade da Copa do Mundo, eu lembro. Mas eu também me lembro dos projetos sociais amplos e fortes e do Procurador Geral da República que trabalha e da própria Policia Federal que resolveu, finalmente, “sair dos aeroportos” e ajudar mais a todos nós. Da um trabalho que não é brincadeira, mas ainda é a melhor opção defender o Governo do PT. Melhor que apoiar essa oposição misteriosa e elitista. E o clima de “agora somos todos felizes”, bem artificial, que um governo provisório teria se o mandato de Dilma terminar antes de 2018.
O lado ruim do que aconteceu nesta sexta-feira, dia 4 de março de 2016, é que a operação da Polícia Federal “Lava-Jato” se tornou completamente politizada; isso era inevitável e já acontecia parcialmente. Paciência, as coisas ainda são assim. Política no Brasil ainda é feita de maneira imatura. Para terminar: a “condução coercitiva” do ex-presidente Lula para depor à Polícia Federal é boa, pois da a impressão aos mais humildes que a justiça é mesmo para todos, mas as coisas tem que continuar com equilíbrio e eficiência. O Governo do PT e seus aliados podem ter resolvido acordar e trabalhar, o que é bom também. Também é bom que os políticos da oposição tenham um novo “gás”, mas paralisar as votações no Congresso não me parece razoável, pois é óbvio que pelo menos algumas medidas propostas pelo Governo Dilma são boas e o Brasil precisa delas.
Houve violência nas ruas, entre opositores e aliados do Governo Federal. Até repórteres foram agredidos. O que os repórteres têm haver com as ordens que recebem dos patrões, me digam militantes do PT? Um governo não é legítimo se precisa de militantes violentos para defendê-lo. Se a economia estivesse joia a grande imprensa estaria com a mesma má vontade com relação ao PT? Sim, mas não com tanta má vontade: concertem a economia e depois esperem a grande imprensa pare de encher tanto o saco assim de vocês. Agora um puxão de orelha para a grande imprensa: os militantes Anti-PT gostam que vocês repitam todo dia a data da grande manifestação no domingo de março e etc., mas eles podem ficar agressivos e se sentirem traídos por vocês, muito facilmente. Basta a impaciência, uma decepção, o receio diante do poder de vocês, algo assim. O clima esta feio, mas no FaceBook me disseram que talvez eu esteja preocupado demais. Mas eu não consigo ignorar como o Brasil sempre foi violento. É perigoso ignorar isso.

De qualquer forma, quando o clima anda pesado e tão facilmente a gente pode pensar e escrever bobagens, o melhor é estudar. Então vamos estudar. Livros bons e aquela memória calibrada para captar, não memórias boas ou ruins, mas sim as memórias importantes. Podemos e devemos escrever e falar, claro, mas com aquela humildade que o estudo sério provoca em nós.

A falta de concentração, a sensação de estar em uma encruzilhada de deveres a fazer; tudo isso é capaz de gerar um desconforto físico razoável. Bem material mesmo, entende?

Para quem eu escrevo? Nietzsche, de mãos dadas com Emerson, me sugere escrever para meu próprio futuro e assim, quando estiver bem velhinho, eu ainda gostar de mim. Na verdade isso também ajudaria os que estão ao meu redor.
É, isso aí me faz pensar. Se eu encontrasse com o meu eu mais jovem, não ficaria bravo com ele, apenas pediria para confiar em si e ouvir mais as vozes que sejam boas. Porque foi mais perigoso ficar nesta casa do que ficar fora dela.

Uma declaração que seja boa, que seja verdadeira: quão poderoso isso é! Você come essas palavras, mas elas continuam no seu prato. No prato de todos.

Mais uma daquelas histórias de bastidores que só o Lúcio Flávio Pinto, o mais jornalista do Brasil, tem que coragem de contar:
Aí o governador foi entregar títulos de propriedade para pequenos agricultores. Gente humilde tendo agora segurança jurídica para suas humildes residências e suas pequenas terras. Uma festa, governador esta todo contente com os dividendos que esta pequena reforma agrária lhe daria. Mas eis que um detalhe lhe corta o coração: o plástico! O plástico que envolve os documentos a serem entregues a cada agricultor. Estes envelopes lembravam que o benefício ali é todo mérito de um adversário do governador. Este, magoadíssimo, entrega meia dúzia de títulos de posse e vai embora. O resto esta entregue “simbolicamente”. A festa acabou. E a reforminha agrária também.

- ... lágrimas na chuva ...
E vocês repararam na mão do cyborg vilão, quando este salva de cair do prédio o Harrison Ford? Estou falando de Blade Runner. A cena mostra o braço do cyborg vilão salvando o mocinho de cair do prédio. Acontece que o mocinho interpretado por Harrison Ford tinha atingido uma mão do cyborg com um prego. E o cyborg vilão usou esta mesma mão para salvar o mocinho. Entenderam? O close da câmera?
Não? Que personagem famoso que vocês conhecem que teve pregos fincados em suas mãos? Ah, agora vocês lembraram.
Então o cyborg fez igualmente um sacrifício. E igualmente falou palavras que devem ser escutadas com atenção.
- ... lágrimas na chuva ...
A raiva, uma discussão em família, um desejo egoísta envolvendo uma amiga verdadeira, uma Canon T3 ou uma Canon EF 16-35mm f/2.8L II USM... Tudo, tudo, tudo.
- ... lágrimas na chuva ...
- ... lágrimas na chuva ...

Não sou tão bom súdito assim do Pequeno Príncipe: estou deixando os baobás da raiva e do egoísmo voltarem e crescerem em mim. E a receita boa é tão simples: respeitar as pessoas e foco para seguir apenas o meu caminho. Mas é difícil!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.