Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

26 de novembro de 2015

QUEIJO: - Você não devia ter votado na Dilma por raiva. Raiva é raiva, o que você tinha na cabeça?

AMOR: - Eu olhava para o moralismo da polêmica sobre aborto, para o senador Álvaro Dias do PSDB e para o Agripino Maia do DEM e para as críticas mais tolas ao PT e não pude agir de outra forma. 

QUEIJO: - Podia ter votado em branco ou nulo. É legítimo votar assim.

AMOR: - Sim, é legítimo. Mas também é triste. Prefiro escolher um nome, arriscar e apostar. Para viver é preciso isso. 

QUEIJO: - Isso muda nada. Você estava sendo movido pela raiva. E mais, havia críticas de boa qualidade contra o PT. Por que só focalizava as críticas tolas?

AMOR: - Achava as críticas tolas, as dos extremistas de direita, as mais perigosas. 

QUEIJO: - São perigosas, mas esses pitbulls de papel são minoria.

AMOR: - É imprudente dar as costas a essa almas sebosas. Podem falar merda, mas devem ter uma resposta. Liberdade de expressão exige isso: atividade constante. Você não deve pedir para calar a boca, você deve responder e falar mais. Assim é justo, assim é livre. 

QUEIJO: - Perfeito, aprendeu direitinho a lição daquela história em quadrinhos ( Justiceiro em "Controvérsia" (1991), de Mike Baron, 

Mike Harris, Art Nichols, Gregory Wright, Jim Novak, Don Daley,

 Kevin Kobasic (*), publicada pela Marvel Comics; e pela Abril 

Jovem na revista Superaventuras Marvel, n. 162, ano de 1995. ).

[  http://marvel.wikia.com/wiki/Punisher_War_Journal_Vol_1_37 ]


AMOR: - Que bagunça é essa? 


QUEIJO: - O marmota do Aldrin não consegue manter a mesma 

formatação quando faz a colagem de algum texto. 


AMOR: - O espaçamento de linhas esta todo atrapalhado!


QUEIJO: - Detalhes. Vamos voltar à conversa. Ao se preocupar 

muito com respostas às opiniões da extrema direita, você perdeu 

um tempo que poderia ser usado no diálogo com críticas que eram 

justas.


AMOR: - Um equilíbrio. Responder aos malucos e dialogar com os  
justos que pensam diferente. Saber dividir bem esse tempo.


QUEIJO: - Os malucos querem te roubar tempo que poderia ser 

usado para expor idéias legais. Um bom exemplo é melhor do que 

criticar simplesmente um maluco que ainda vive uma mistura do

pior da Idade Média com a época da Guerra Fria. Mas aqui...


AMOR: - O que? 


QUEIJO: - Você não só votou na Dilma por raiva da oposição. 

Votou por curiosidade em saber como seria tantos anos de PT no 

comando do Brasil.


AMOR: - Sim, é verdade também. Meio adolescente, admito. 

Sabia que isso mudaria muito o Brasil. 


QUEIJO: - Não foi adolescente ou "aborrecente", mas foi uma 

decisão meio nublada. 


AMOR: - Casos de corrupção e decisões estúpidas. 


QUEIJO: - Muitos casos de corrupção do PT. Obviamente existe  

uma má vontade da imprensa, principalmente quando a Dilma 

surge como presidenta. Até pelo fato dela ser mulher e não impor 

uma presença física forte. Mais de 8 anos de PT? A oposição iria 

finalmente crescer fortemente e naturalmente. Disputas apertadas 

nas eleições e a crise na economia são ingredientes. 


AMOR: - Depois da Dilma teremos um Brasil novo, bem melhor. 

Acredito nisso. PT, oposição, brasileiro em relação à cidadania...

Tudo isso deve mudar e para melhor. Espero não estar sendo muito 

"Pollyanna".


QUEIJO: - Não muito, na verdade isso é algo razoável de se  

esperar. Mas tem que evitar um pouco o "crescer na dor". Estamos 

falando de milhões de brasileiros. Não precisamos de 4 anos 

difíceis da Dilma para termos uma grande mudança. Além do 

mais...


AMOR: - O último mandato do Príncipe da Sorbonne, o Fernando 

Henrique Cardoso, foi uma lástima também. E deu o PT depois. 


QUEIJO: - A Polícia Federal não estava a caminho de prender 

todo o primeiro escalão do partido que estava na presidência da 

república.


AMOR: - Nem se quisesse... 


QUEIJO: - Então se a Dilma conseguir completar o mandato 

(lembrando Caio Blinder na Globo News falando em "Nixon no 

segundo ano" rs rs ), podemos ter uma Margareh Thatcher na 

forma algum liberal mais agressivo.


AMOR: - É, liberal agressivo é mais fácil que um liberal de 

verdade no Brasil. Estou cansado, vamos parar?


QUEIJO: - Cansado da corrupção do PT? 


AMOR: - A justiça esta caminhando e eu quero é olhar para as 

coisas boas. Economia é coisa dinâmica e podemos muito bem ter 

um bom 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.