Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Jair Bolsonaro por Sandra Brasil (Veja, 12 de janeiro de 2000. Página 49)

QUEIJO: - Os fans do Jair Bolsonaro são em maior número e mais organizados. 

AMOR: - Talvez, mas a gente faz a nossa parte. Como o beija-flor tentando apagar o incêndio na floresta, naquela bonita alegoria política.

 “Brasil Congresso
Palpite infeliz
O deputado Jair Bolsonaro corre o risco de ser punido por falar bobagens demais

Nesta terça-feira, a mesa da Câmara dos Deputados se reunirá para discutir uma possível punição ao deputado Jair Bolsonaro, do PPB do Rio de Janeiro, por ter defendido, pela segunda vez, o fuzilamento do presidente Fernando Henrique. Bolsonaro foi longe demais. Numa democracia, todos têm direito a defender livremente suas ideias. O problema do capitão da reserva e deputado Jair Bolsonaro é que ele ultrapassa os limites em dois aspectos. No penal, Bolsonaro faz discursos de incitação ao crime. No plano do exercício de seu mandato parlamentar, o deputado fere o decoro da Casa que o abriga, a Câmara Federal. Ele é um velho reincidente nesses capítulos, e, até hoje, os colegas toleraram sem reação suas insanidades. A situação parece que está mudando.

Dessa vez, o palco de Bolsonaro foi o Clube da Aeronáutica, durante o almoço de desagravo ao brigadeiro Walter Bräuer, demitido do comando da Aeronáutica por quebra de hierarquiam. Sem acesso ao microfone do clube, Bolsonaro aproveitou a presença da imprensa no local para fazer seu já tradicional show de pregações anti-democráticas. "Está na hora do basta", diz o deputado Arthur Virgílio, do PSDB do Amazonas, líder do governo no Congresso, que entrou com um pedido formal de cassação contra Bolsonaro por quebra de decoro. A mesa da Câmara vai analisar se irá acatar a proposta de Virgílio ou se encaminhará uma punição mais branda, A tendência é aprovar uma suspensão de mandato por até trinta dias. "Ele é reincidente e demonstra um contumaz despreparo para lidar com o regime democrático"; argumenta Virgílio.

[ A seguir as citações do quadro ilustrado da matéria “Palpite infeliz” sobre Jair Bolsonaro, escrito pela repórter Sandra Brasil e publicado pela revista Veja em 12 de janeiro de 2000.]

“ “Para o crime que FHC está cometendo contra o país sua pena devia ser o fuzilamento.”
(dezembro de 1999)

“Isso é que dá torturar e não matar.”
(junho de 1999, sobre as acusações de tortura do ex-padre José Antônio Monteiro que levaram à demissão do delegado João Batista Campelo da Polícia Federal)

“Se fuzilassem 30 000 corruptos, a começar pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, o país estaria melhor.”
(maio de 1999)

“Se fosse o presidente, fecharia o Congresso, porque ele não funciona.”
(maio de 1999)

“O grande erro da ditadura foi não matar vagabundos e canalhas como Fernando Henrique.”
(julho de 1997)

“Gastaram muito chumbo com o Lamarca. Ele devia ter sido morto a coronhadas.”
(julho de 1996)
[ Fim das citações do quadro ilustrado da matéria “Palpite infeliz” sobre Jair Bolsonaro, escrito pela repórter Sandra Brasil e publicado pela revista Veja em 12 de janeiro de 2000.]

No terceiro mandato como deputado federal, Bolsonaro é o autor das frases mais absurdas que saíram do Congresso nos últimos anos. Ele já xingou Fernando Henrique de canalha, defendeu ditadores, apoiou a prática da tortura e até pregou o fechamento do Congresso. Em 1986, Jair Messias Bolsonaro era um desconhecido oficial do Exército. Nesse ano, começou a sobressair. Primeiro, foi preso depois de defender reajuste salarial em um artigo publicado em VEJA. Em 1987, arquitetou um plano de explodir bombas em quartéis para protestar contra a prisão de um sargento, os baixos salários e a atuação da cúpula do Exército. Dessa vez, Bolsonaro apareceu de novo na revista, mas denunciado por VEJA como um dos autores de um plano terrorista. Nesse mesmo ano, ele chegou a ser acusado pelo então ministro do Exército Leônidas Pires Gonsalves, de indignidade para com o oficialato. O Superior Tribunal Militar o absolveu da acusação. Com todas essas peripécias era de se esperar que a carreira de Bolsonaro andasse para trás. Ao contrário, tornou-se muito prestigiado entre alguns setores das Forças Armadas como defensor da categoria. Isso lhe rendeu votos no baixo clero dos militares. Ironicamente, o mesmo discurso desequilibrado ameaça seu mandato.

Sandra Brasil"
(Revista Veja em sua edição de 12 de janeiro de 2000, página 49.)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.