Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Juiz empurra o carro e eu lembro três "trem"

Três textos antigos do meu FaceBook.

EDITORIAL DE FOTOGRAFIA 
Não havia luz ideal, flash, sol de meio dia ou sol de fim de tarde. Não havia tema, estilo ou escola a seguir. O que importava era apenas a beleza e ela poderia surgir a qualquer momento e em qualquer lugar. E pedir qualquer abordagem, realista ou abstrata. Isso facilitava as coisas e dificultava. Facilitava porque a preocupação diminuía quanto a questões técnicas, mas dificultava porque você teria que segurar uma câmera 24 horas por dia, para sempre. Um sacerdócio, um sacrifício. Uma gota de sangue, suor e eternidade.

BRASIL ESTA DOENTE 
Como qualquer discussão sobre segurança pública no Brasil termina? - Precisamos de mais policiais nas ruas, mais equipamentos, mais prisões, mais educação, melhores condições de trabalho para os policiais, leis adequadas... Como qualquer discussão sobre educação termina no Brasil? -Precisamos de mais professores, mais escolas, melhor condição de trabalho para os profissionais de educação... As discussões terminam dizendo justamente o que poderia ser dito há 30 anos atrás. O país não anda. Não desenvolve. A economia é empurrada com a barriga. Olhamos para cima, para Brasília e vemos os mesmos rostos. Uma monarquia sustentada por um regime democrático. O glorioso parlamento inglês? Não, é a gente mesmo. Pagando o salário do ACM Neto ou qualquer outro lá. Recordes de mandatos sucessivos... Não é o país do futuro. É o país do presente. Presente hedonista de poucos. Não pode continuar assim. 

GASTOS COM AS COPAS 
Do ponto de vista pragmático, poderíamos dizer: "Decerto que nunca teríamos a duplicação de tal estrada, a Lagoa da Pampulha começando a ser limpa, obras para os ônibus... Tudo isso nessa geração? Sem a justificativa das Olimpíadas e das Copas? Jamais!" Razoável, mas a questão não é técnica, é moral: não queremos obras faraônicas. Tecnocratas enfiem suas maquetes gigantes naquele lugar. Chega no posto de saúde e falta um material que custa R$250,00. Ah, vão tomar banho! O dinheiro sumiu quando atravessou o Triangulo das Bermudas? 

LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZÔNIDAS

E lá vai mais um órgão público transformado em algo triste.

Um tribunal de contas que manda os outros devolverem dinheiro errado, coisa que nem o próprio tribunal deveria fazer e não faz.

E o juiz, na volta do encontro secreto com o "Doutor Medeiros", teve que descer do carro para empurrá-lo pois o mesmo enguiçara. 
Acontece, acontece, essas coisas acontecem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.