Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

terça-feira, 5 de maio de 2015

Cada um por si e todos lavando as mãos

Batteries Not Included (1987) O Milagre veio do Espaço (1987).
Assisti hoje, depois de mais de 12 anos.
"Ando tão a flor da pele..."

Até aquele cantor de fado, lá em Portugal, é um ser alegre se comparado que os nativos deste Brasil que nascia em meio a doenças, natureza indiferente e cachaça.
Duvida? Olhe as produções populares! Olhe o que o povo cantava nas ruas, com atenção! Notaram a tristeza?

A metrópole indiferente com as necessidades e particularidades da sua colônia. Não se importavam conosco.

O pai é sinistro
A mãe é escrava
O filho é fraco
FAMÍLIA BRASILEIRA nos primeiros tempos.
(Preciso ler esse tal de CAPISTRANO DE ABREU!)

Eles chegaram ao Brasil.
Fazer o que? Amar a terra, amar a própria vida?
Os primeiros brasileiros não se mataram (como seria mais razoável dado o estado de espírito que emergia nos primeiros documentos oficiais daquele período), apenas legaram a nós essa secura, indiferença, ganância rápida, luxúria doente e raiva.

Um dia, uma semana, um mês, um ano, uma década, duas décadas...
CADÊ A P***** DO PATRIOTISMO QUE NÃO NASCE????
Washington rapidinho rapidinho morreu de amores pela sua Virgínia e aqui o Brasil vai ser uma monarquia independente e nada de patriotismo.

Os brancos tinham orgulho de sua descendência, vieram os escravos e surge aquele monte de filhos fora do casamento. Resolveu-se a questão com o surgimento da figura do "enjeitado" que - olhe que curioso - despertava entre o resto da população um "carinho quase supersticioso".

É a hora do trecho famoso e polêmico do Paulo Prado falando da escravidão negra no Brasil.
Não, não, não vou citá-lo aqui. Leiam vocês.
É, parece mesmo racismo sim. Triste isso, Paulo.
= (
O jeito é ficarmos com uma conclusão mais geral: a escravidão foi uma desgraça a todos, a todos.

Brasileiro e a autoridade.
O jantar estava animado na cidade. Chega o poderoso e tudo continuou soturno até o fim.

Ah, claro. Vira e mexe tem um assassinato no meio da rua.
(E naquela época já devia ter algum responsável falando que ia se importar e resolver)

A escravidão e o sexo.
Corrupção em todos os setores da sociedade.
Eu disse "em todos".
O sentimento de culpa era aplacado em alguns casos com ajuda da herança. O padres usavam muito disso.
Mas se você fosse um negro idoso ou doente, ninguém se importaria com você.

Um escravo ocasionalmente tornava-se um alcoólatra. E la ia o escravo ser punido tendo que andar com uma máscara de ferro pela cidade do Rio de Janeiro.

Não havia escova de dentes na mais rica e importante cidade do Brasil e você me pergunta se havia escola para crianças????
(A Igreja ensinava a seguir a carreira eclesiástica, educação como a gente entende as crianças que podiam aprendiam nas lojas dos pais)

Alguma coisa boa poderia ter saído da fúria pelo ouro que havia no interior do Brasil, mas a administração portuguesa e a que seguiu ela foi estúpida e acabou tudo numa selvageria mesmo.

Ah, teve religiosos famosos e poderosos fazendo barraco no meio da rua por ciúmes de mulata também famosa!
Ah, mas essa eu queria ter visto!

300 anos passaram rápido e não era exatamente uma nação que tínhamos aqui.

ENSAIO SOBRE A TRISTEZA BRASILEIRA - Paulo Prado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.