Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

quarta-feira, 6 de maio de 2015

A Periferia quase chegou lá e Nietzsche falando em "doçura"

Países da periferia capitalista vendiam matéria prima para a Grã Bretanha e com isso tinham divisa para pagar os investimentos da mesma Grã Bretanha fazia nestes países.

A manutenção do ouro como referência do câmbio nas transações comerciais internacionais e o papel de destaque da Grã-Bretanha nesse novo mundo que nascia. Ao menos por enquanto.
E o papel do Brasil, em 2015, no comércio na América Latina? Acho que deva ser até razoável, mas a influência política deve ser maior.

O protecionismo dos Estados Unidos e da Alemanha naquele final do século XIX e começo do século XX foi importante para estes países, depois de algumas décadas, ultrapassar os britânicos?
Ah, não entendo de economia (na verdade estou pela primeira vez lendo um texto com esse assunto), mas eu lembro desse assunto específico: protecionismo. Muitos reclamam que isso é nacionalismo, logo, é ruim; teve também, no mesmo Brasil, o episódio ocorrido nos anos 1980 sobre protecionismo para a tecnologia nacional. A ideia era bonita, mas algo errado ocorreu e ficamos uns 15 anos atrasados diante do mundo.

Houve um momento que as matérias primas eram vendidas a preços bem altos. Países que valorizaram a agricultura se deram bem.
E no Brasil a gente da dinheiro público para grande produtor rural e depois produtor rural reclama da infra estrutura. Entendo nada!

Canadá e Argentina se destacaram também, uma vez, nesse período.

Exportação de produtos foi importante, mas o capital puro dos países-chave circulando entre os países foi ainda mais importante. Coisa relativamente abstrato. Acho que tipo especulação financeira? Não sei, acho que ainda não.

O dinheiro costumava ir para países europeus e para os Estados Unidos, depois, já no comecinho do século XX, o dinheiro dos grandes ia para os países pobres da periferia do capitalismo. É quando, podemos dizer, a América Latina foi descoberta. Para sua glória e tragédia.

A Primeira Guerra Mundial mudaria completamente este cenário. O Cáucaso, usado pelos britânicos e franceses, não mais teria como enfrentar a Standart Oil dos Estados Unidos e aquele cenário econômico com muitos atores acabaria. O mundo seria apenas de meia dúzia e olha lá!
Adeus padrão-ouro
Adeus da Grã Bretanha ao livre comércio
Adeus altos preços das matérias primas
Adeus dos países agrícolas da periferia capitalista à sua digna prosperidade (e eles nunca mais saberiam o que é isso: prosperidade)
Adeus ao movimento livre de capital como antes
Adeus ao movimento migratório que havia
e
Bem vindo nacionalismo econômico.

Obrigado, Malcom Falkus!

As coisas boas sempre foram boas? Não podem ter nascidos más? 
A ciência não nasceu do jeito que a gente olha para ela hoje, por exemplo. A ciência nasceu no meio a segredos e segredos.
O que hoje é bom uma vez foi novo e por ser novo o seu parto foi doloroso e em meio a um mundo que não concordava com o seu nascimento.

É muito importante para a educação ter a espontaneidade.
Egoísmo pode motivar você a começar a caminhada em busca da virtude. Acontece sim. 
Tudo bem, não esquente muito a cabeça com isso. Caminhe!
Você alcança a virtude e a virtude alcançada deixa tudo muito bem. O egoísmo, agora, não era a única força motivadora. 
Estimular o aluno segundo sua individualidade e, depois, a virtude faz o resto do serviço "acrescentando maturidade e doçura".

Nietzsche falando em doçura!

(Ah, mas Nietzsche no próximo aforismo já vai puxar a orelha dos cristãos! rs rs )

Os cristãos precisam de bons modos, de terem alguma etiqueta ao rezar.
Quando rezam para Deus e os santos, o fazem de uma maneira que deixa os outros humanos irritados.
Quando rezam para o humano, o fazem de uma maneira que deixa Deus irritado. 
Uma reza que seja, não apenas sincera, mas também pacífica.


Natureza e ecologia. E respeito.
Devemos igualmente respeitar uma pessoa religiosa e uma pessoa não-religiosa.
Quando estamos com uma pessoa não-religiosa, na verdade estamos viajando de balão, na maior altura possível. Acima das nuvens, no céu mesmo. Em meio a correntes de ar poderosas que ali nasceram.
Quando estamos com uma pessoa religiosas estamos no chão, no meio de uma floresta amazônica, embaixo de árvores gigantes e cheias de folhas, cheia de sombras e seivas e também cheia de paz.
NIETZSCHE APAIXONADO


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.