Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

terça-feira, 10 de março de 2015

zeroUM

Rotina e memória.
Rotina é uma base que fornece segurança e é onde você pode criar o novo.
Memória é para lembrar também das vitórias. Tem vitórias que são pequenas, mas que vistas no todo, ficam grandes e dão combustível.

No mesmo dia em que tinha criado coragem de mandar uma mensagem a ela do tipo "Oi, tudo joia? como você esta?"; ela me manda um texto barra pesada e cheio de "não" e "nunca mais".
Justamente no dia.
Deve ser a tal coincidência cósmica, o elo místico que ela disse que tem e que ela disse que eu não tenho.
Texto grande, pesado, difícil. Quando li pela primeira vez pensei que ela só podia ter me enviado ele por engano.
Dei uma resposta curta, seca, fria, burocrática e quase sincera.

Estou realizando um sonho que nem sabia que podia existir em mim: virar um camponês. rs rs
Com direito a acordar de madrugada e lindos calos nas mão para me orgulhar.
Camponês? Eu quero plantar hortas e limões, e não marxismos ou reformas luteranas. Hum!

A rádio comunitária esta entrando na internet. É aos poucos, mas já me deixou pirado.
Voltei a acreditar em meu programa. Até estou mexendo com o Excel, para organizar melhor a sequência de músicas. Se mencionar a delícia que é vencer a deficiência que meu programa tem: ausências de músicas para dançar e músicas de MPB recente.

Também voltei a acreditar em meus cartões postais, mas aqui é complicado. O dinheiro não circula aqui na cidade, como convencer os lojistas a venderem os meus cartões? E turismo é uma promessa antiga aqui na cidade.
Vou ler uns livros de administração e comércio que meu avô materno deu para meu tio.
Quinta tem reunião sobre turismo na Câmara de Vereadores e vou participar, talvez algo que preste saia dali.

Trabalhei como free lance em fotografia e até que fiz algum dinheiro. Meio inacreditável. Menos inacreditável de fazer isso ficar constante.
A impressora multifuncional tem quase 10 anos e pareceu que finalmente pifaria. Não ligava mais. Fizemos orçamento para saber o quanto podíamos gastar e eu fiquei uns dois dias pesquisando uma impressoras para comprar, mas eu não queria. Era difícil achar um modelo, a questão de onde comprar os cartuchos de tinta era fundamental e realmente não havia como ter segurança quanto a isso. Fiquei com uma tremenda má vontade. No dia de ir comprar eu tentei um último recurso e a impressora velha voltou a funcionar. Tremenda notícia boa. Era um mal contato, coisa elétrica.

Nunca diga algo como "tempo perdido". Isso da vontade de suicídio.
É melhor falar "brincando outro tipo de brincadeira". Você se consola e se vinga.
E não há mesmo outro caminho além de ser verdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.