Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

ÔNIBUS: UM CASO DE AMOR

 
Eram puxados a cavalo.
Depois vieram os ônibus que eram movidos a gasolina. Eram bem melhores, mas a quantidade de gente que reclamava do cheiro e do barulho era considerável.

Ônibus movidos a cavalo... O cheiro... E se o cavalo se machucasse? E se ele ficasse cansado? Ou simplesmente lerdo mesmo? (risos) Imagine um congestionamento de ônibus movidos a cavalos! Imagine como devia ser aqueles tempos! Imagine!

E chegam os ônibus movidos a gasolina. Pessoas reclamam do barulho e do cheiro. As pessoas reclamam do barulho e do cheiro dos motores movidos a combustíveis fósseis há décadas e décadas e décadas...

A melhoria do transporte público e, ampliando, a melhoria do trânsito nas grandes cidades ajuda a todo. Isso é óbvio, mas é bom falar para os empresários donos dos ônibus e dos políticos que não são muito exigentes com esses empresários. Com um trânsito bom, a economia melhora. Com uma economia melhor, todos melhoram. Mas em pleno século XXI é difícil e amargo acreditar que o trânsito em Belo Horizonte melhore. : (

LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 10

 
NIETZSCHE APAIXONADO 13:

Você gostaria de ser um caranguejo? Ser muito chato e ficar andando de lado? Andar para os lados e quase nunca ir adiante? Deixar-se seduzir assim?

-Cruz credo!

Pois é, pois é, pois é...
Mas é o perigo que correm todos os historiadores e todos que olham para o passado em busca de suas próprias “origens”.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

EM 1871 NASCEU A BURRICE

 
Saber se relacionar com um tipo especial de administrador. De empresário. Quem? O dono do jornal.

Há espaço para a amizade e a informalidade, claro; mas você saberá onde começa e termina o jornalismo? Há uma maneira de ser leal a todo, do leitor à vítima de seu texto e sem esquecer a consciência sua de jornalista.

Saber se retirar. Sim, é preciso saber lutar e é preciso também saber pedir demissão. Você esta ali para ser jornalista. Jornalista e jornalista.

LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZONIDAS 10:

 
NIETZSCHE APAIXONADO 12:

Burrice, fraqueza e mentira – desde 1871 uma tradição alemã.
Nietzsche e uma das suas famosas opiniões negativas a respeito da Alemanha.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

É VERDADE OU MITO?

 
É a bunda da sua mãe, pode ser?

Quem foi o marmota que disse que mito é sinônimo de mentira? Mito é uma história onde esta contida os valores e ideias de todo um povo que as cultivaram por tempos imemoriais. Não se pergunta se a história de Jesus, Maomé, Abraão ou Khrisna são verdadeiras ou falsas. O que se pergunta aqui é: toca o meu coração e faz sentido a mim ou não? Se sim, sigo esse caminho. Se não, continuo a busca. É o que eu acho.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

ENSAIO SOBRE A TRISTEZA BRASILEIRA (2 de 6)

MANUEL e YVES: o BRASIL era chocante.


“Numa terra radiosa vive um povo triste.” – Paulo Prado em “Retrato do Brasil – Ensaio sobre a Tristeza Brasileira”.
O livro pode ser o que for, mas saber te fisgar logo na primeira frase não é para qualquer um.

A sede de ouro e a sensualidade renascentista: como a herança portuguesa poderia ser feliz se eles obedeciam a esses impulsos?

O Renascimento na origem do Brasil... Gostei disso. É incomum pensar no Brasil, tão católico, tendo como herança um paganismo tão forte. A livre ação individual contra a obediência antiga. Sinto muito, Companhia de Jesus!

Os frutos desconhecido... A floresta brasileira e seu verde sufocante. Eu sou espanhol e apenas quero ouro, mas antes preciso curvar-me em reverência à essa natureza majestosa. Estou mergulhado.

Mas deslumbre não é amor e Alexander Von Humboldt (1769-1859), cientista alemão, nota que Luis vas de Camões (1524-1580) apenas se interessa pelas especiarias e produtos comerciais. E as plantas nativas, meu grande poeta português? A, só as que tem origem europeia mesmo...
: (

Ô Paulo Prado, eu não sei francês! Sua marmota, porque tu não traduziu as palavras do Yves d´Êvereux? Arght!

As índias peladas do Maranhão e o caráter dos homens europeus que primeiro chegaram ao Novo Mundo.

Três Adãos brasileiros:
Jerônimo de Albuquerque,
Diogo Alvares Caramuru
eJoão Ramalho.

As primeiras Evas de origem europeia demoraram pelos menos 50 anos para chegar ao Brasil.

O prazer sexual em todas as suas formas, saudáveis ou não.

Desigualdade social? Claro, mas que pergunta besta.

Ah, e os ministros da Justiça eram facilmente corruptíveis. Segundo frei Manuel Calado as vezes alguns sacos de açúcar eram suficientes.

José de Anchieta:
“[...] lãs mujeres andan desnudas y no se saben negar a ninguno, mas aun ellas mismas acometen y importunam lós hombres achando-se com ellos em lãs redes; porque tienen por honra dormir com lós ianos...”

O homem era o agente e a mulher, qualquer mulher, não contava: era um pouco mais do que um objeto. Com o machismo estruturado já na época colonial... Podemos imaginar como é difícil combatê-lo.
(Obrigado Paulo da Silva Prado e Nova Aguilar!)

 
NIETZSCHE APAIXONADO 11:

Não é qualquer povo que canta. Apenas alguns cantam. Os que podem. Os russos cantam.
Criticamos os russos. Dizemos que eles são maus. Isso é algo “míope” de se dizer. Sim, os russos são maus, mas na verdade isso acaba sendo um elogio. Um elogio diante da justeza de nossos critérios.

CRÉDITO DAS IMAGENS USADAS AQUI:
A imagem do Frei Manuel Calado foi encontrado no site Skoob , mas especificamente aqui .
A imgem do livro de Yves d´Êvereux foi encontrado no site da AMAZON. Tive problemas técnicos com ele, daí não ter colocado o link dele aqui. Mas acho que isso só acontecerá comigo.
É importante notar: a dificuldade de encontrar imagens das pessoas desse período da história do Brasil.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

ENSAIO SOBRE A TRISTEZA BRASILEIRA (1 de 6)

 
(Obrigado Ronaldo Vainfas e Nova Aguilar!)

Mas diplomacias e negócios à parte, Paulo da Silva Prado era principalmente um mecenas. Mecenas? Fico pensando sobre isso quando vejo os patrocínios que um longa metragem brasileiro precisa ter para ser realizado e distribuído ao público brasileiro. As vezes para existir no Brasil temos que pedir desculpas.

Ele amava a obra do historiador cearense Capistrano de Abreu. Amava e fazia por onde: ajudava na edição dos livros do mestre.

-Luciano de Samósata?
-Héin?
-Ele é moderno?
-Héin?
-Luciano de Samósata!

Estudar o belo e estudar o feio.
+ Ser brasileiro e ser atual.
+ Saber, afinal das contas, que cargas d´água significa ser brasileiro!
=
Jóia!

A República Federativa do Brasil é triste. Precisamos de uma revolução. De preferência uma revolução revolucionária e alegre.

Há um Jaburu em nossos corações.

Paulo Prado em “Retrato do Brasil” comete um erro grave: ele é muito crédulo em relação aos documentos em que ele estudou. É preciso confiar sim, mas... Mas ele confiou de mais, podia ter tido bem mais senso crítico. A inquisição portuguesa teve mais trabalho em Portugal. Os calvinistas na Suíça e na Holanda foram mais cruéis que os inquisidores portugueses no Brasil.

Início do século XX: a discussão sobre o racismo em “Retrato do Brasil” (1928) incomodou menos que seu elogio à revolução como solução ao Brasil.

 
NIETZSCHE APAIXONADO 10:

As mulheres querem ser vistas. Elas precisam ser vistas. Sempre. Mesmo que o flagra seja por um pecado leve, bobo. Um necessário pecado leve e bobo.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

A ESTRELA DO MAL

CHARLES MASTERMAN e MARIE CORELLI

Excitação pouca é bobagem. É mesmo gostoso de mais estudar história.
Fico aqui tentando imaginar como aquelas drásticas mudanças eram percebidas pela sociedade britânica do começo do século XX.
Já tinha lido sobre isso em George Orwell e seu “O Caminho para Wigan Pier” e estou gostando desse texto do Asa Briggs.

Claro que se eu fosso transportado para lá seria difícil perceber algo. Tipo assim: sempre vai haver otimistas, pessimistas, ingênuos e irresponsáveis... Em Londres de 1901 ou Belo Horizonte de 2012.

Mas olhando com os olhos de 2012 vamos tentar fazer um julgamento justo. Aliás, o próprio George Orwell alerta sobre como é fácil ser injusto olhar o passado com os olhos do presente. “Tipo, como era desconfortável a vida na Idade Média! Eles não tinham aquecedor elétrico e Ipod!”; algo besta assim. De qualquer forma, vou tentar.

George Malcolm Young realmente foi conservador e arrogante. Isso entre 1900 e 1914. Entre seus próprios contemporâneos! Hoje podemos dar-lhe uma colher de chá: esse importante historiador foi apenas ingênuo. Viver como nossos pais, Young? Você podia querer isso, mas todas aquelas mudanças logo mostrariam que você estava enganado.

Herbert George Wells, o famoso H. G. Wells, era otimista também, mas um pouco mais interessante. É algo que merece nossa atenção a sua ideia que o que moveria “o século do homem comum” seria o “estimulante conflito das individualidades”. E assim etapa, por etapa a sociedade progrediria. A utopia seria algo dinâmico e não algo que poderia se chegar assim, de uma hora para outra.

Mas o que mais me tocou mesmo foi a questão levantada por Charles Masterman, membro do Partido Liberal.
-A vida será mais rica e feliz, se comprar carros e aceitar como algo normal o constante aumento de despesas? Existo, logo compro?

Mas as palavras fortes mesmo ficam para o final.
Com vocês a escritora Marie Corelli:
“Nossa estrela do mal, a estrela do mal de todos os impérios se elevou além do oriente; falando claramente, ela inunda o firmamento de tanta luz e brilho que é muito difícil perceber qualquer outra luminosidade. E seu nome é Avareza. Riqueza em excesso – riqueza aos montes -, riqueza em fatias grandes, desajeitadas, impróprias, ilusórias, como que por acaso, por um lance de dados, acumulada por às custas das pessoas incultas e analfabetas, que, curvadas como mulas de carga sob o peso de fardos dourados, ignoram completamente quais sejam os elevados usos desses fardos. Quer o futuro esteja ou não com o Homem Comum, o presente é do milionário. Homens de grande reputação por seu saber , seu mérito e sua bravura são tirados do caminho para dar passagem ao tráfego motorizado dos ricos influentes, que, graças a golpes desaforados, atrevidos e petulantes, conseguem gritar insistentemente aos ouvidos daqueles cujo grande privilégio é o de “conduzir” as questões sociais.” UAU! UAU!UAU!UAU!

(Obrigado Asa Briggs e Abril Cultural)
LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 9

 
NIETZSCHE APAIXONADO 9:

Eles escolhem a virtude, mas em seus sonhos fingem que não.

CRÉDITO DAS IMAGENS USADAS AQUI:
A fotografia de Charles Masterman foi encontrada no site da The Spartacus Educational Website , mas especificamente aqui .
A fotografia de Marie Corelli foi encontrada no site Aunt Violet's Book Museum (a home for decayed gentlewomen) [algo como "Para Damas Decadentes"]; mas especificamente aqui .
Não foi possível identificar a autoria da fotografia do bairro londrino East End, mas ainda tenho esperança.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

A IMPRENSA E FERNANDO COLLOR (4 de 4)

Dois livros. Só li um.
E não é que José Dirceu ajudou a revista Veja a desvendar o Paulo César Farias?

“Flectere si nequeo, Acheronta movebo!”
(“Se não posso dobrar os deuses, moverei o inferno!”)

Os heróis: Mino Pedrosa, João Santana Filho e Augusto Fonseca. (Revista Istoé)

“PC, PC, vai pra cadeia e leva o Collor com você..”
Eu era uma criança, mas lembro-me muito bem desses versos. Eu cantei isso!

Ironias das ironias para um homem público que deve grande parte de seu sucesso à televisão: os problemas técnicos ao dar entrevista à televisão argentina Telefe. O programa se chamava “Tiempo Nuevo 92”.
(Sim, vamos procurar esse trem no YouTube ainda hoje!)

Lições do Paulo César Farias:
Foi sacrificado para que o empresariado brasileiro possa defender a livre iniciativa;
A imprensa brasileira e os empreiteiros brasileiros: relação promíscua e
Os políticos brasileiros e os empreiteiros brasileiros e bancos brasileiros: relações promíscuas.

Parabéns Collor, terminei de ler o livro do Mario Sergio Conti vendo você deixando até o Antônio Carlos Magalhães com o estômago embrulhado! Cruz credo!

(Obrigado Mario Sergio Conti e Companhia das Letras)

 
NIETZSCHE APAIXONADO 9:

Se não consegui ser forte, eu resolvo acreditar que existe uma força invisível e superior a mim. Continuo fraco, mas agora estou consolado.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

NOMES QUE QUEREM VIVER EM VOCÊ

A solidão tem muitas formas.
Uma delas é se ver em meio a uma discussão onde o interlocutor não se interessa tanto pela verdade e sim pelo desejo de atacar.

(Caramba, os meus textos sobre o Lúcio estão muito tristes. Tenho que melhorar isso)

Ser de esquerda, não por causa dos partidos, mas por “teimosia” podemos dizer. Uma teimosia saudável e inteligente, claro. Lembrando sempre que algumas discussões políticas parecem mesmo coisa de criança.

Mais uma lista de autores a considerar:
Oliveira S. Ferreira,
Azevedo Amaral,
Octávio de Faria,
Lourival Fontes,
Almir de Andrade
e Gustavo Barroso.
(Outros nomes citados por Lúcio são mais conhecidos e por isso não vou citá-los aqui)
LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZONIDAS 9

 
NIETZSCHE APAIXONADO 9:

Artista bom é o artista que quer viver.
Não, você não entendeu o alcance, o problema levantado pelo que acabou de ler.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

SORRISO DE MARIE E A DANÇA DE EDUARDO

apenas o CINEMA para derrotar o TEATRO MUSICAL
de estrelas como MISS MARIE LLOYD. Nova arte popular. 
 
 
É como uma boa dança: todos os fatores, ao mesmo tempo independentes e intimamente ligados; tudo permitindo que a sociedade inglesa da época de Eduardo VII preparasse a sociedade de massas do século XX.

Você é vitoriano? Então você é dedicado ao trabalho.

Inteligência, força de vontade e oportunidades para crescer. (No Brasil a burocracia é uma castradora invencível)

Urbanização.

Aumento de salário.

Aumento das horas de lazer. (agradeça ao movimento anarquista e socialista, hein? Ah, aquelas greves históricas...)

Melhoria do transporte público. (Em Belo Horizonte? Prefiro nem comentar)

Aumento do alcance e do poder das propagandas. Algo fundamental para o crescimento do comércio de massas tornar-se sólido e sustentável.

(Obrigado Asa Briggs e Abril Cultural)
LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 8


NIETZSCHE APAIXONADO 8:

A perfeição tem cheiro. Cheiro de morte e suicídio.


CRÉDITO DAS FOTOS USADAS NO INÍCIO:
A primeira foto de Miss Marie LLoyd foi encontrada neste site Another Nickel In The Machine , mas especificamente aqui .
A segunda foto de Miss Marie Lloyd foi encontrada no site The Swan Circle (parte do site U.K. Family Records), mais especificamente aqui .

domingo, 4 de novembro de 2012

A IMPRENSA E FERNANDO COLLOR (3 de 4)

JOÃO GOULART e JOÃO SAAD: Se Goulart tivesse escutado o
conselho de Saad e voltado da China pelo Rio de Janeiro,
o que mudaria?

José Guilherme Merquior: mais um nome para a lista de autores a considerar.

Quando qualquer pessoa normal pensaria “Ih, a gente vai dançar!”; o Domingo Alzugaray pensou: “Nós iremos sobreviver!”.
Editor precisa ser otimista. Ser otimista é ser forte. Estufe o peito!

Etevaldo Dias Mário Alberto de Almeida: dois casos complicados que eu não consegui decifrar. Não consegui mesmo.

Será que o Conselho de Segurança do Órgão das Nações Unidas será como Collor um dia defendeu? Com a entrada do Brasil, Japão, índia, Alemanha e África do Sul?

A desfeita que o então ministro da Educação de Collor, Carlos Chiarelli, fez com o Victor Civita me deixou deprimido. Educação é educação. Tenho minhas reservas e muitas quanto á revista Veja; mas aquela história que o Mario Sergio Conti narrou é muito triste.

Adolpho Bloch, simplesmente Adolpho Bloch!

João Goulart não seguiu o conselho de João Saad de voltar pela porta da frente, ou seja: pelo Rio de Janeiro. Goulart voltou ao Brasil pelo Rio Grande do Sul e os militares impuseram-lhe o parlamentarismo.

(Obrigado Mario Sergio Conti e Companhia das Letras)

 
NIETZSCHE APAIXONADO 8:

As mulheres têm muito segredos.
E um dos segredos que as mulheres guardam é a compreensão que a verdade é, entre outras coisas, algo absolutamente indecoroso.

CRÉDITO DAS FOTOS USADAS NO INÍCIO:
A autoria das fotos é desconhecida. A de João Goulart foi encontrada no site da Skoob, aqui .
Já a foto de João Saad foi encontrada no site da Pró - TV , aqui .

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

MALTHUS SEMPRE RI POR ÚLTIMO

Thomas Malthus.
A população cresce de um jeito e a produção de alimentos cresce de outro jeito. Não vai dar certo. Vai dar é fome.

Aí a professora nossa de Geografia ou de História diz que Malthus errou porque ele subestimou a tecnologia.
Claro, diga isso aos africanos.

O governo federal prorrogou a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). Os carros de passeio continuarão baratos.

O trânsito agradece. A indústria automobilística agradece. A indústria automobilística desde os tempos de Juscelino é uma das monarquias que existem no Brasil. Mandam e mandam mesmo.

Aí fazem mais ruas e estradas. Demora. Não da tempo. O número de carros crescem mais depressa. E Thomas Malthus ri novamente.

Thomas Malthus sempre ri por último.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

DANDO A LUZ A COINCIDÊNCIAS

Damos significado. Chamamos algumas coisas de “coincidências”. Escolhemos valores. Seres humanos em um mundo humano. Muito humano.

Agora podemos assistir DVDs. Eu tinha comprado alguns. Qual assistir? Escolho “Casa de Areia e Névoa”, um dos melhores filmes que já assisti na vida. Tinha outros estilos disponíveis, mas foi uma boa escolha.

Ora, vejam o nome do diretor: Vadim Perelman Peralman! Perelman!
Estou fazendo um guia de leitura. Estava na dúvida se lia ou não “Tratado da Argumentação – A Nova Retórica”, de Chaïm Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca.

Perelman, Perelman...
Acho que já sabemos a resposta.