Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

domingo, 2 de setembro de 2012

GOSTOSO COMO UM RECOMEÇO


E recomeço com Nietzsche dizendo-me a importância da jovialidade e do atrevimento. Principalmente se o trabalho a ser feito é perigoso e chato. É sério: mesmo um combate é uma oportunidade feliz para quem é profundo. A gente pensa, reflete muito e, depois, nada melhor que sair ao sol e gritar a plenos pulmões: “Vamos revirar, meu povo!”

O trabalho de um jornalista é muito importante. Todo mundo sabe disso. Até aqueles intelectuais desonestos que usam aqueles fatos registrados e aquelas análises criadas e não citam as fontes! Lúcio Flávio Pinto nos conta sobre o que aconteceu com o estadunidense Isidore Feinstein Stone: só depois que sua brilhante obra jornalística saiu em forma de livros, é que tornou-se claro o quanto I. F. Stone fora injustiçado e o quanto ele era e é indispensável.

É fundamental estar no ritmo. Mas que história é essa de termos educação de qualidade só depois de nossa economia estar desenvolvida? E foi mesmo um ministro da Educação quem disse essa bobagem? Cruz credo! Lembra-me a ideia de esperar o bolo crescer e depois distribuir os pedaços: faz sentido, mas e as pessoas que vão morrer de fome? Desenvolvimento da educação e da economia, juntos. Mas não parece claro?

Você já pensou em medir um livro, não pelo número de páginas, mas pelo tempo que você levaria para compreendê-lo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo jóia?
Escreva um comentário e participe.