Voltaire ajuda

Voltaire ajuda

domingo, 30 de dezembro de 2012

LAGOS COMENDO LIXOS ELETRÔNICOS


O que comemos.
O que possuímos.
O que falamos.
O que fazemos.
O que pensamos.
O que achamos que somos.
Talvez apenas aquilo que amamos.

(Inspirado em Alcione Araújo em “Assim é, se lhe parece” [Estado de Minas, 26 de outubro de 2005])

E Lagos, capital da Nigéria recebendo toneladas de lixo eletrônico de outros países. Muitos deles ricos e com mais facilidades de tratar esse material perigoso.
Crime.
(Inspirado em Washington Novaes em “Haverá limite para a internet?”, Estado de S. Paulo, 15 de fevereiro de 2008)
(Novaes, o grande Novaes, ainda aborda a questão do consumo de energia pelos computadores, a guerra de informação e a hipótese de que o excesso de uso ainda acabe detonando a eficiência da internet.)
(Aproveito para citar um trecho que gostei bastante: “Um dos exemplos mais claros da gravidade do problema do lixo tecnológico está em sua exportação para países pobres. Lagos, a capital da Nigéria, recebe a cada mês 500 contêineres carregados com 500 mil monitores de computadores ou 175 mil aparelhos de TV (Envolverde, 30/1), dos quais 75% são considerados lixo eletrônico, embora exportados sob pretexto de reutilização.”)

Chuva e minhoca de paraquedas: caem de pé e correm deitados. A piada é boa. O que não é bom é a poluição da atmosfera indo parar em rios, mares, oceanos... Em nossos copos de água. Complicado.

 
Londres no começo do século XX e o Brasil no começo do século XXI: a diferença em relação à justiça.

NIETZSCHE APAIXONADO 18:

Era um espetáculo bonito de se ver: a consciência dando as suas mordidas.
Mordia uma, duas vezes para garantir. Um leão ou um tigre ficariam maravilhados com aqueles dentes.
E hoje? Hoje a consciência precisa ir ao dentista?

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

IMPORTE O IMPORTANTE

 
 
Você acha o Canadá simpático? Pergunte aos filhotes de foca.

O governo dos Estados Unidos da América exige que os novos governos do Afeganistão e Iraque construam novas escolas? O que interessa a mim é como uma nova educação forme pessoas que saibam viver de maneira saudável. Saibam julgar melhor o que é o Ocidente, as diferenças, os direito das mulheres, exercer o islamismo de maneira saudável e inteligente e etc.
Os EUA sacrificam gerações inteiras, gastam dinheiro do contribuinte e no principal, - educação é o principal -, eles erram por omissão?

Inspirado em Álvaro Pereira Júnior em “Superamigos pensam que o mundo é um desenho animado” (Folha de S. Paulo, 24 de outubro de 2001). Palavras a destacar: “Porque nem toda a emoção do universo justifica uma análise tão rasteira quanto a de (Dan) Rather. Para ele, os afegãos tem inveja. Só isso. Nenhuma palavra sobre a política externa americana, nenhuma frase sobre por que diabos um país chega a ser tão odiado.”


LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZÔNIDAS 11:

Se a avaliação é do Lúcio Flávio Pinto eu devo respeitar, mas é mesmo muito incomum pensar que existem poucas polêmicas na imprensa brasileira. Claro, ele deve estar se referindo a polêmicas de verdade e não essas briguinhas infantis.

NIETZSCHE PAIXONADO 17:

Apenas em comédias ou em romances açucarados a guerra entre sexos é divertida. Só ali, entenderam? Só ali, pois essa separação entre homens e mulheres é real e amarga demais. Praticamente uma fuga. Muito triste.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

ANTÔNIO ANASTASIA, NIETZSCHE E OS SEGREDOS DAS MULHERES

ANTÔNIO ANASTASIA
Pq todo mundo só ataca o Márcio Lacerda e esquece o governador? Só pq ele é filho do Aécio Neves, tem cabelo escovinha e é fofinho?
kkkkkkkkkk
Mineirão novo não vai encher a barriga dos miseráveis do Norte de Minas. E fábrica de semi-condutores é igual trem urbano em Belo Horizonte: palavras.


NIETZSCHE APAIXONADO 16:

As mulheres têm segredos demais ou o problema é que elas têm poucos segredos? Ai!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

ESCOLHENDO A MENTIRA

 
 
NIETZSCHE APAIXONADO 15:

As aparências realmente enganam. Vejam essas retas falsas que alguns chamam de “sistemas”. Tudo muito certinho, bem colocado, um organograma bem feito para todos entenderem. E a gente acha que isso é tudo e acabou.

Mas não é assim a vida. E os amantes dos sistemas sabem muito bem disso. Pior, essa vontade de retidão na verdade é o medo da verdadeira retidão. Uma sombra de mentira em vez do sol.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

DUAS CRISES

DEMOCRACIA 1

A democracia precisa de muitas coisas, uma delas é de um povo. Um povo para representar e fornecer poder. Mas em nossos dias, onde esta “O” povo?
Essa mistura de anônimos e grupos organizados é o que temos como povo?
Crise.

REPÚBLICA 1

Se explicar, mesmo que superficialmente, qualquer pessoa dirá a um pesquisador qualquer que o ideal republicano é invejável e desejável. Os adjetivos que acompanham as explicações sobre o que é o ideal republicano estão entre os mais bonitos que se pode ouvir: dever, cidadania, ética, nação...

Mas basta eu me sentir inseguro em relação à estabilidade em meu emprego, que o egoísmo vence e eu pouco irei me preocupar com essa ficção estúpida conhecida como “bem comum”. E é quando o exercício da política é representado pela reunião de condomínio ou reunião em colégio público: uma metáfora para representar algo chato e inútil.
Crise.

NIETZSCHE APAIXONADO 14:

Fique satisfeito consigo mesmo. Isso protege e cura.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

ÔNIBUS: UM CASO DE AMOR

 
Eram puxados a cavalo.
Depois vieram os ônibus que eram movidos a gasolina. Eram bem melhores, mas a quantidade de gente que reclamava do cheiro e do barulho era considerável.

Ônibus movidos a cavalo... O cheiro... E se o cavalo se machucasse? E se ele ficasse cansado? Ou simplesmente lerdo mesmo? (risos) Imagine um congestionamento de ônibus movidos a cavalos! Imagine como devia ser aqueles tempos! Imagine!

E chegam os ônibus movidos a gasolina. Pessoas reclamam do barulho e do cheiro. As pessoas reclamam do barulho e do cheiro dos motores movidos a combustíveis fósseis há décadas e décadas e décadas...

A melhoria do transporte público e, ampliando, a melhoria do trânsito nas grandes cidades ajuda a todo. Isso é óbvio, mas é bom falar para os empresários donos dos ônibus e dos políticos que não são muito exigentes com esses empresários. Com um trânsito bom, a economia melhora. Com uma economia melhor, todos melhoram. Mas em pleno século XXI é difícil e amargo acreditar que o trânsito em Belo Horizonte melhore. : (

LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 10

 
NIETZSCHE APAIXONADO 13:

Você gostaria de ser um caranguejo? Ser muito chato e ficar andando de lado? Andar para os lados e quase nunca ir adiante? Deixar-se seduzir assim?

-Cruz credo!

Pois é, pois é, pois é...
Mas é o perigo que correm todos os historiadores e todos que olham para o passado em busca de suas próprias “origens”.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

EM 1871 NASCEU A BURRICE

 
Saber se relacionar com um tipo especial de administrador. De empresário. Quem? O dono do jornal.

Há espaço para a amizade e a informalidade, claro; mas você saberá onde começa e termina o jornalismo? Há uma maneira de ser leal a todo, do leitor à vítima de seu texto e sem esquecer a consciência sua de jornalista.

Saber se retirar. Sim, é preciso saber lutar e é preciso também saber pedir demissão. Você esta ali para ser jornalista. Jornalista e jornalista.

LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZONIDAS 10:

 
NIETZSCHE APAIXONADO 12:

Burrice, fraqueza e mentira – desde 1871 uma tradição alemã.
Nietzsche e uma das suas famosas opiniões negativas a respeito da Alemanha.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

É VERDADE OU MITO?

 
É a bunda da sua mãe, pode ser?

Quem foi o marmota que disse que mito é sinônimo de mentira? Mito é uma história onde esta contida os valores e ideias de todo um povo que as cultivaram por tempos imemoriais. Não se pergunta se a história de Jesus, Maomé, Abraão ou Khrisna são verdadeiras ou falsas. O que se pergunta aqui é: toca o meu coração e faz sentido a mim ou não? Se sim, sigo esse caminho. Se não, continuo a busca. É o que eu acho.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

ENSAIO SOBRE A TRISTEZA BRASILEIRA (2 de 6)

MANUEL e YVES: o BRASIL era chocante.


“Numa terra radiosa vive um povo triste.” – Paulo Prado em “Retrato do Brasil – Ensaio sobre a Tristeza Brasileira”.
O livro pode ser o que for, mas saber te fisgar logo na primeira frase não é para qualquer um.

A sede de ouro e a sensualidade renascentista: como a herança portuguesa poderia ser feliz se eles obedeciam a esses impulsos?

O Renascimento na origem do Brasil... Gostei disso. É incomum pensar no Brasil, tão católico, tendo como herança um paganismo tão forte. A livre ação individual contra a obediência antiga. Sinto muito, Companhia de Jesus!

Os frutos desconhecido... A floresta brasileira e seu verde sufocante. Eu sou espanhol e apenas quero ouro, mas antes preciso curvar-me em reverência à essa natureza majestosa. Estou mergulhado.

Mas deslumbre não é amor e Alexander Von Humboldt (1769-1859), cientista alemão, nota que Luis vas de Camões (1524-1580) apenas se interessa pelas especiarias e produtos comerciais. E as plantas nativas, meu grande poeta português? A, só as que tem origem europeia mesmo...
: (

Ô Paulo Prado, eu não sei francês! Sua marmota, porque tu não traduziu as palavras do Yves d´Êvereux? Arght!

As índias peladas do Maranhão e o caráter dos homens europeus que primeiro chegaram ao Novo Mundo.

Três Adãos brasileiros:
Jerônimo de Albuquerque,
Diogo Alvares Caramuru
eJoão Ramalho.

As primeiras Evas de origem europeia demoraram pelos menos 50 anos para chegar ao Brasil.

O prazer sexual em todas as suas formas, saudáveis ou não.

Desigualdade social? Claro, mas que pergunta besta.

Ah, e os ministros da Justiça eram facilmente corruptíveis. Segundo frei Manuel Calado as vezes alguns sacos de açúcar eram suficientes.

José de Anchieta:
“[...] lãs mujeres andan desnudas y no se saben negar a ninguno, mas aun ellas mismas acometen y importunam lós hombres achando-se com ellos em lãs redes; porque tienen por honra dormir com lós ianos...”

O homem era o agente e a mulher, qualquer mulher, não contava: era um pouco mais do que um objeto. Com o machismo estruturado já na época colonial... Podemos imaginar como é difícil combatê-lo.
(Obrigado Paulo da Silva Prado e Nova Aguilar!)

 
NIETZSCHE APAIXONADO 11:

Não é qualquer povo que canta. Apenas alguns cantam. Os que podem. Os russos cantam.
Criticamos os russos. Dizemos que eles são maus. Isso é algo “míope” de se dizer. Sim, os russos são maus, mas na verdade isso acaba sendo um elogio. Um elogio diante da justeza de nossos critérios.

CRÉDITO DAS IMAGENS USADAS AQUI:
A imagem do Frei Manuel Calado foi encontrado no site Skoob , mas especificamente aqui .
A imgem do livro de Yves d´Êvereux foi encontrado no site da AMAZON. Tive problemas técnicos com ele, daí não ter colocado o link dele aqui. Mas acho que isso só acontecerá comigo.
É importante notar: a dificuldade de encontrar imagens das pessoas desse período da história do Brasil.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

ENSAIO SOBRE A TRISTEZA BRASILEIRA (1 de 6)

 
(Obrigado Ronaldo Vainfas e Nova Aguilar!)

Mas diplomacias e negócios à parte, Paulo da Silva Prado era principalmente um mecenas. Mecenas? Fico pensando sobre isso quando vejo os patrocínios que um longa metragem brasileiro precisa ter para ser realizado e distribuído ao público brasileiro. As vezes para existir no Brasil temos que pedir desculpas.

Ele amava a obra do historiador cearense Capistrano de Abreu. Amava e fazia por onde: ajudava na edição dos livros do mestre.

-Luciano de Samósata?
-Héin?
-Ele é moderno?
-Héin?
-Luciano de Samósata!

Estudar o belo e estudar o feio.
+ Ser brasileiro e ser atual.
+ Saber, afinal das contas, que cargas d´água significa ser brasileiro!
=
Jóia!

A República Federativa do Brasil é triste. Precisamos de uma revolução. De preferência uma revolução revolucionária e alegre.

Há um Jaburu em nossos corações.

Paulo Prado em “Retrato do Brasil” comete um erro grave: ele é muito crédulo em relação aos documentos em que ele estudou. É preciso confiar sim, mas... Mas ele confiou de mais, podia ter tido bem mais senso crítico. A inquisição portuguesa teve mais trabalho em Portugal. Os calvinistas na Suíça e na Holanda foram mais cruéis que os inquisidores portugueses no Brasil.

Início do século XX: a discussão sobre o racismo em “Retrato do Brasil” (1928) incomodou menos que seu elogio à revolução como solução ao Brasil.

 
NIETZSCHE APAIXONADO 10:

As mulheres querem ser vistas. Elas precisam ser vistas. Sempre. Mesmo que o flagra seja por um pecado leve, bobo. Um necessário pecado leve e bobo.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

A ESTRELA DO MAL

CHARLES MASTERMAN e MARIE CORELLI

Excitação pouca é bobagem. É mesmo gostoso de mais estudar história.
Fico aqui tentando imaginar como aquelas drásticas mudanças eram percebidas pela sociedade britânica do começo do século XX.
Já tinha lido sobre isso em George Orwell e seu “O Caminho para Wigan Pier” e estou gostando desse texto do Asa Briggs.

Claro que se eu fosso transportado para lá seria difícil perceber algo. Tipo assim: sempre vai haver otimistas, pessimistas, ingênuos e irresponsáveis... Em Londres de 1901 ou Belo Horizonte de 2012.

Mas olhando com os olhos de 2012 vamos tentar fazer um julgamento justo. Aliás, o próprio George Orwell alerta sobre como é fácil ser injusto olhar o passado com os olhos do presente. “Tipo, como era desconfortável a vida na Idade Média! Eles não tinham aquecedor elétrico e Ipod!”; algo besta assim. De qualquer forma, vou tentar.

George Malcolm Young realmente foi conservador e arrogante. Isso entre 1900 e 1914. Entre seus próprios contemporâneos! Hoje podemos dar-lhe uma colher de chá: esse importante historiador foi apenas ingênuo. Viver como nossos pais, Young? Você podia querer isso, mas todas aquelas mudanças logo mostrariam que você estava enganado.

Herbert George Wells, o famoso H. G. Wells, era otimista também, mas um pouco mais interessante. É algo que merece nossa atenção a sua ideia que o que moveria “o século do homem comum” seria o “estimulante conflito das individualidades”. E assim etapa, por etapa a sociedade progrediria. A utopia seria algo dinâmico e não algo que poderia se chegar assim, de uma hora para outra.

Mas o que mais me tocou mesmo foi a questão levantada por Charles Masterman, membro do Partido Liberal.
-A vida será mais rica e feliz, se comprar carros e aceitar como algo normal o constante aumento de despesas? Existo, logo compro?

Mas as palavras fortes mesmo ficam para o final.
Com vocês a escritora Marie Corelli:
“Nossa estrela do mal, a estrela do mal de todos os impérios se elevou além do oriente; falando claramente, ela inunda o firmamento de tanta luz e brilho que é muito difícil perceber qualquer outra luminosidade. E seu nome é Avareza. Riqueza em excesso – riqueza aos montes -, riqueza em fatias grandes, desajeitadas, impróprias, ilusórias, como que por acaso, por um lance de dados, acumulada por às custas das pessoas incultas e analfabetas, que, curvadas como mulas de carga sob o peso de fardos dourados, ignoram completamente quais sejam os elevados usos desses fardos. Quer o futuro esteja ou não com o Homem Comum, o presente é do milionário. Homens de grande reputação por seu saber , seu mérito e sua bravura são tirados do caminho para dar passagem ao tráfego motorizado dos ricos influentes, que, graças a golpes desaforados, atrevidos e petulantes, conseguem gritar insistentemente aos ouvidos daqueles cujo grande privilégio é o de “conduzir” as questões sociais.” UAU! UAU!UAU!UAU!

(Obrigado Asa Briggs e Abril Cultural)
LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 9

 
NIETZSCHE APAIXONADO 9:

Eles escolhem a virtude, mas em seus sonhos fingem que não.

CRÉDITO DAS IMAGENS USADAS AQUI:
A fotografia de Charles Masterman foi encontrada no site da The Spartacus Educational Website , mas especificamente aqui .
A fotografia de Marie Corelli foi encontrada no site Aunt Violet's Book Museum (a home for decayed gentlewomen) [algo como "Para Damas Decadentes"]; mas especificamente aqui .
Não foi possível identificar a autoria da fotografia do bairro londrino East End, mas ainda tenho esperança.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

A IMPRENSA E FERNANDO COLLOR (4 de 4)

Dois livros. Só li um.
E não é que José Dirceu ajudou a revista Veja a desvendar o Paulo César Farias?

“Flectere si nequeo, Acheronta movebo!”
(“Se não posso dobrar os deuses, moverei o inferno!”)

Os heróis: Mino Pedrosa, João Santana Filho e Augusto Fonseca. (Revista Istoé)

“PC, PC, vai pra cadeia e leva o Collor com você..”
Eu era uma criança, mas lembro-me muito bem desses versos. Eu cantei isso!

Ironias das ironias para um homem público que deve grande parte de seu sucesso à televisão: os problemas técnicos ao dar entrevista à televisão argentina Telefe. O programa se chamava “Tiempo Nuevo 92”.
(Sim, vamos procurar esse trem no YouTube ainda hoje!)

Lições do Paulo César Farias:
Foi sacrificado para que o empresariado brasileiro possa defender a livre iniciativa;
A imprensa brasileira e os empreiteiros brasileiros: relação promíscua e
Os políticos brasileiros e os empreiteiros brasileiros e bancos brasileiros: relações promíscuas.

Parabéns Collor, terminei de ler o livro do Mario Sergio Conti vendo você deixando até o Antônio Carlos Magalhães com o estômago embrulhado! Cruz credo!

(Obrigado Mario Sergio Conti e Companhia das Letras)

 
NIETZSCHE APAIXONADO 9:

Se não consegui ser forte, eu resolvo acreditar que existe uma força invisível e superior a mim. Continuo fraco, mas agora estou consolado.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

NOMES QUE QUEREM VIVER EM VOCÊ

A solidão tem muitas formas.
Uma delas é se ver em meio a uma discussão onde o interlocutor não se interessa tanto pela verdade e sim pelo desejo de atacar.

(Caramba, os meus textos sobre o Lúcio estão muito tristes. Tenho que melhorar isso)

Ser de esquerda, não por causa dos partidos, mas por “teimosia” podemos dizer. Uma teimosia saudável e inteligente, claro. Lembrando sempre que algumas discussões políticas parecem mesmo coisa de criança.

Mais uma lista de autores a considerar:
Oliveira S. Ferreira,
Azevedo Amaral,
Octávio de Faria,
Lourival Fontes,
Almir de Andrade
e Gustavo Barroso.
(Outros nomes citados por Lúcio são mais conhecidos e por isso não vou citá-los aqui)
LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZONIDAS 9

 
NIETZSCHE APAIXONADO 9:

Artista bom é o artista que quer viver.
Não, você não entendeu o alcance, o problema levantado pelo que acabou de ler.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

SORRISO DE MARIE E A DANÇA DE EDUARDO

apenas o CINEMA para derrotar o TEATRO MUSICAL
de estrelas como MISS MARIE LLOYD. Nova arte popular. 
 
 
É como uma boa dança: todos os fatores, ao mesmo tempo independentes e intimamente ligados; tudo permitindo que a sociedade inglesa da época de Eduardo VII preparasse a sociedade de massas do século XX.

Você é vitoriano? Então você é dedicado ao trabalho.

Inteligência, força de vontade e oportunidades para crescer. (No Brasil a burocracia é uma castradora invencível)

Urbanização.

Aumento de salário.

Aumento das horas de lazer. (agradeça ao movimento anarquista e socialista, hein? Ah, aquelas greves históricas...)

Melhoria do transporte público. (Em Belo Horizonte? Prefiro nem comentar)

Aumento do alcance e do poder das propagandas. Algo fundamental para o crescimento do comércio de massas tornar-se sólido e sustentável.

(Obrigado Asa Briggs e Abril Cultural)
LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 8


NIETZSCHE APAIXONADO 8:

A perfeição tem cheiro. Cheiro de morte e suicídio.


CRÉDITO DAS FOTOS USADAS NO INÍCIO:
A primeira foto de Miss Marie LLoyd foi encontrada neste site Another Nickel In The Machine , mas especificamente aqui .
A segunda foto de Miss Marie Lloyd foi encontrada no site The Swan Circle (parte do site U.K. Family Records), mais especificamente aqui .

domingo, 4 de novembro de 2012

A IMPRENSA E FERNANDO COLLOR (3 de 4)

JOÃO GOULART e JOÃO SAAD: Se Goulart tivesse escutado o
conselho de Saad e voltado da China pelo Rio de Janeiro,
o que mudaria?

José Guilherme Merquior: mais um nome para a lista de autores a considerar.

Quando qualquer pessoa normal pensaria “Ih, a gente vai dançar!”; o Domingo Alzugaray pensou: “Nós iremos sobreviver!”.
Editor precisa ser otimista. Ser otimista é ser forte. Estufe o peito!

Etevaldo Dias Mário Alberto de Almeida: dois casos complicados que eu não consegui decifrar. Não consegui mesmo.

Será que o Conselho de Segurança do Órgão das Nações Unidas será como Collor um dia defendeu? Com a entrada do Brasil, Japão, índia, Alemanha e África do Sul?

A desfeita que o então ministro da Educação de Collor, Carlos Chiarelli, fez com o Victor Civita me deixou deprimido. Educação é educação. Tenho minhas reservas e muitas quanto á revista Veja; mas aquela história que o Mario Sergio Conti narrou é muito triste.

Adolpho Bloch, simplesmente Adolpho Bloch!

João Goulart não seguiu o conselho de João Saad de voltar pela porta da frente, ou seja: pelo Rio de Janeiro. Goulart voltou ao Brasil pelo Rio Grande do Sul e os militares impuseram-lhe o parlamentarismo.

(Obrigado Mario Sergio Conti e Companhia das Letras)

 
NIETZSCHE APAIXONADO 8:

As mulheres têm muito segredos.
E um dos segredos que as mulheres guardam é a compreensão que a verdade é, entre outras coisas, algo absolutamente indecoroso.

CRÉDITO DAS FOTOS USADAS NO INÍCIO:
A autoria das fotos é desconhecida. A de João Goulart foi encontrada no site da Skoob, aqui .
Já a foto de João Saad foi encontrada no site da Pró - TV , aqui .

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

MALTHUS SEMPRE RI POR ÚLTIMO

Thomas Malthus.
A população cresce de um jeito e a produção de alimentos cresce de outro jeito. Não vai dar certo. Vai dar é fome.

Aí a professora nossa de Geografia ou de História diz que Malthus errou porque ele subestimou a tecnologia.
Claro, diga isso aos africanos.

O governo federal prorrogou a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). Os carros de passeio continuarão baratos.

O trânsito agradece. A indústria automobilística agradece. A indústria automobilística desde os tempos de Juscelino é uma das monarquias que existem no Brasil. Mandam e mandam mesmo.

Aí fazem mais ruas e estradas. Demora. Não da tempo. O número de carros crescem mais depressa. E Thomas Malthus ri novamente.

Thomas Malthus sempre ri por último.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

DANDO A LUZ A COINCIDÊNCIAS

Damos significado. Chamamos algumas coisas de “coincidências”. Escolhemos valores. Seres humanos em um mundo humano. Muito humano.

Agora podemos assistir DVDs. Eu tinha comprado alguns. Qual assistir? Escolho “Casa de Areia e Névoa”, um dos melhores filmes que já assisti na vida. Tinha outros estilos disponíveis, mas foi uma boa escolha.

Ora, vejam o nome do diretor: Vadim Perelman Peralman! Perelman!
Estou fazendo um guia de leitura. Estava na dúvida se lia ou não “Tratado da Argumentação – A Nova Retórica”, de Chaïm Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca.

Perelman, Perelman...
Acho que já sabemos a resposta.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

A IMPRENSA E FERNANDO COLLOR (2 de 4)

bandeira da PARAÍBA e o escritor inglês PIERS PAUL READ
 
 
(Obrigado Mario Sergio Cont e Companhia das Letras)
 

Mas não pode ser! Mas não pode ser que apenas João Saad da Rede Bandeirantes de Televisão tenha percebido que – como eu posso dizer? – faltava uns “parafusos a menos” a Fernando Collor.
- Ah, Collor seduziu a todos...
- Nem todos. Nós fomos avisados e muito avisados. De repente Alagoas não faz mais parte do Brasil? (“Sul Maravilha” do Henfil...)

Na Paraíba temos um rei das comunicações: José Carlos da Silva.
(NOTA: Consultando a internet descobri que o nome correto é “José Carlos da Silva Júnior”)

A história esta cheia de “se”, “se”, “se”... Mas... Se Silvio Santos não tivesse saído candidato a presidente, a candidatura de Mário Covas poderia ter crescido? A revista Veja ia dedicar uma reportagem de capa ao candidato do Partido da Social Democracia Brasileira, mas mudou de ideia na última hora.
Ah, Silvio Santos!

Umberto Eco.
“Marketing de Guerra”,
“Posicionamento: Como a Mídia faz a sua Cabeça”, de Jack Trout e All Wies.

Pausa para lembrar: Houve um tempo que comer carne era muito, muito, muito mais do que um luxo para a maioria dos brasileiros.

O começo do fim: mesmo em segundo lugar, houve um momento que parecia claro que Lula ia passar Collor e vencer o segundo turno das eleições.

Perguntar não ofende: O jornal Estado de S. Paulo esperou o depoimento da Miriam Cordeiro e o clima pesado resultante para dar o seu “tiro de misericórdia” à candidatura de Lula?

Collor (primeiro turno) e Fernando Henrique Cardoso (1994, 1998)
Trauma de “Kennedy versus Nixon” é a vovozinha! Esse pessoal amarelou e pronto! Saíram correndo dos debates sim senhor!
(A Rede Globo de Televisão além de não ter feito debates no primeiro turno naquela campanha de 1989 criticou a Rede Bandeirantes de Televisão e acabou ajudando Collor. Affz! Ê, Globo!)

Boa fé, defesa da governabilidade ou pura cretinice?
Toda a grande imprensa apoiou o confisco da poupança? Mas não é possível que a economia brasileira estivesse tão destruída para justificar esse atentado à propriedade privada.

LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 7:
(Obrigado Asa Briggs e Abril Cultural)

A Grã-Bretanha de Eduardo VII forneceu o pilar.
Os londrinos pobres não queriam só comida e água. Os londrinos pobres queriam comida, água, teatros musicais, notícias e futebol. E etc., é claro. Somos todos humanos.

Mas primeiro é mesmo a barriga. O mercado torna-se popular. Mais lojas e preços mais baixos. Os salários ainda eram muito baixos, mas lentamente subiam e aqueles humildes trabalhadores consumiam cada vez mais e a diversidade desses produtos também crescia.
Foi uma época “heroica” para os varejistas. Não eram poucos que faziam fortuna e construíam impérios!

E depois do mercado de massas estávamos prontos para conhecer o que seria essa nova comunicação de massas e a nova cultura que florescia.

 
LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZONIDAS 7:

Piers Paul Read + Dante Alighieri + Jó =
Ficar em cima do muro sem se decidir não vai te salvar;

Você vai ter que escolher, que escolha sabiamente;

Perder alguns amigos é terrível, mas é também apenas mais uma das coisas que podem acontecer durante a longa viagem;

Diante de Deus, o que pode uma língua que fere?


NIETZSCHE APAIXONADO 7:

E algumas coisas não são tão maravilhosas do que podem aparecer á primeira vista.

Você quer ter mais dinheiro? Você procura por zeros.

Você quer ter mais seguidores? Você procurar por zeros.

Você que tornar-se maior, ser dez vezes maior do que é agora? Fácil, procure por zeros. Apenas procure por zeros.

(Sabe, tudo bem ser irônico, cético, niilista, pessimista e alegre ao mesmo tempo... Aquela frivolidade inteligente... Apenas não se esqueça de ter força. De ser forte! Os irmãos Goncourt não pareciam serem o tipo de gente que costuma praticar musculação e tomar vitaminas de açaí.).

CRÉDITO DA IMAGEM USADA PARA A FOTOMONTAGEM:
A fotografia de Piers Paul Read foi encontrada aqui, uma página do Sidney Morning Herald. Lá esta escrito que a imagem pertecente a Getty Images. Não consegui encontrar a foto neste site e muito menos autoria da mesma.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

SILÊNCIO E O MEDO


Certo, eu nem conferi a internet por exemplo. Mas acho muito estranho esse silêncio sobre o futuro do Código Florestal.
A chamada "Bancada Ruralista" não gostou dos vetos da presidenta Dilma e esse pessoal já ameaçou mostrar os dentes.

Talvez eles fiquem calmos com algumas anistias ali, algumas prorrogações de multa ali, outras prorrogações para consertar os estragos que eles fizeram aqui...

É fácil essa turma ficar satisfeita, apesar do barulho que fazem.

O difícil é recuperar a água que sujam e o verde que apagam.

domingo, 28 de outubro de 2012

FERNANDO COLLOR E A IMPRENSA (1 de 4)

DORRIT HARAZIM e ALICE-MARIA TAVARES REINIGER:
Duas das mulheres mais brilhantes que a imprensa brasileira
já conheceu.

 
(Obrigado Mario Sergio Conti e Companhia das Letras)
 

Nós fomos avisados e muito, mas preferimos correr o risco. Parece que foi apenas isso, afinal.

Quero visitar o Palácio dos Martírios apenas por causa do presente que Péricles Cavalcanti deixou para o Arnon de Mello.

Da Câmara de Vereadores à publicação no Diário Oficial. 300 artigos.
Quem iria ter saco para conferir? Ninguém, óbvio.
A não ser o jornalista Claúdio Humberto. Oram vejam, um artigo a mais... Uma tarifa a mais... Ê Brasil!

-Acha bom que o candidato vá a missa?
-A mulher do candidato deve trabalhar?

“Só se tem amigos nesta vida.” Elio Gaspari entendeu isso. Entenda você também.

Eu queria:
Ver o Sebastião Nery conversando, empolgado com algum assunto.
Ver o Elio Gaspari em uma redação, bravo e dando sermão em outros jornalistas.
(Por quê? Ah, só lendo o livro do Mario Sergio Conti para saber)

Luiz Maklouf.

E se Lula tivesse deixado Frei Betto publicar a sua biografia, será que ele poderia ter ganho a eleição? Lula foi derrotado porque o depoimento mentiroso de Miriam Cordeiro o abalou emocionalmente. Eleição é guerra, ele tinha que saber como colocar a sua família no jogo. Eleição é guerra e jogo.


LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 6:
(Obrigado Asa Briggs e Abril Cultural)

Em 1913, em Londres, já havia a preocupação com o tráfego de veículos e a preocupação que o transporte coletivo fosse prioridade imediatamente. Agora vem falar isso para o pessoal da BH Trans!

Em 1907 a preocupação era o cinema. O cinema é inimigo do teatro, era o que alertava um crítico de jornal.

Telégrafo sem fio? Qual a vantagem de pessoas estranhas escutarem a nossa conversa? Qual a vantagem, hein? Uau!

 
LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZONIDAS 6:

Você não se sente seguro diante da Lei. Todos contra um. O menor detalhe é transformado em arma para destruí-lo. Desde 1992, 24 horas. Apenas para tentar impedir a posse de terra de maneira ilegal.

Tentam usar a lei para que você não possa defender a lei.

Até a UNESCO fez corpo mole e não incluiu a agressão que você sofreu como exemplo de ameaça à liberdade de expressão.

Não pedem direito de resposta. Pedem apenas o direito de intimidar usando toneladas de processos contra você.

Delfim Netto e o índice de inflação naquele ano de 1972: Lúcio Flávio Pinto contou a verdade e recebeu um elogio inesperado.


NIETZSCHE APAIXONADO 6:

Como os homens imaginam as mulheres?
O homem constrói um ideal. Aí pega um pedaço desse ideal, um pedaço qualquer. E desse pedaço o homem deseja criar algo.
Mas aquele pedaço de ideal é qualquer coisa, menos uma semente. Mesmo assim o homem resolve criar algo a partir daquele pedaço.
E aí surge a mulher. Coitada delas. Não é a toa que nós homens temos dificuldade de lidar com elas. Praticamente estamos brigando com um espelho torto.

CRÉDITO DAS IMAGENS USADAS NO INÍCIO:

A foto da jornalista Dorrit Harazim é de Leandro Melito e foi encontrada aqui: Quinto Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.
A foto da jornalista Alice-Maria Tavares Reiniger é de Rodolpho Machado (Agência Globo) e foi encontrada aqui: Memória Globo.

sábado, 27 de outubro de 2012

RADIAÇÃO



"Pouso Alegre com Conselheiro Lafaiete
A antena de celular mais baixa que eu já vi!"

(Anotação minha em um livro. Estava lendo o livro no ônibus e fiz essa anotação.)

Agora vou olhar Belo Horizonte no Google Maps para conferir direito o trem. Lembro que fiquei assustado, mas sei que a memória da gente nos pega algumas peças.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

PERGUNTAS COMO CAPIM


Como surgiu a natureza?

Como surgiu tudo isso aí?

O ser humano e suas ações.

Além do que seus olhos podem ver, deve existir algo, quem sabe? Não vamos ser esnobes em relação à metafísica.

A sociedade e o ser humano sozinho: relações e dúvidas em relação qual estrada trilhar.

Perdão, qual o caminho para a verdade?

O problema da beleza e o problema da sedução pela palavra.

E se o espírito do povo se torna místico, isso também deve se transformar em um enigma a ser decifrado.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

SIMPLES LOGO

Me encanto, portanto eu faço filosofia.

Me encanto com o mundo, portanto quero solucioná-lo.

Me encanto, portanto quero fazer parte.

Me encanto, portanto ando por aí.

Mais ou menos isso.

Não é?

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

TUDO É UM, E O UM É MARAVILHOSO!

 
O que a Filosofia quer?
Descobrir a verdade.
A verdade de que?
De tudo. A Filosofia é a busca pela unidade.
Gulosa, hein?
Mas e as ciências, as artes e as religiões?
A diferença é o papel central que a razão desempenha. A arte usa a imaginação, o instinto. A sua subjetividade atrapalha um pouco. A religião também é subjetiva e depende muito da fé, o diálogo é mais complicado.
E as ciências?
Elas valorizam a razão e as experiências.
Então? Qual a diferença das ciências particulares, como a Física, a Linguística, a Sociologia, a Química, etc.?
Digamos que cada só possa pegar um pedaço do bolo e só possa dançar um verso da música. A música inteira e o chocolate inteiro apenas a Filosofia é capaz.

-Pergunte o que é fé para um religioso.
-Pergunte o que é tempo para um físico.
-Pergunte a um artista por que uma música é bonita e outra não.
É um bom teste para saber como a filosofia bate um papo com essas formas de manifestação humana.

domingo, 21 de outubro de 2012

É CULPA DA BURGUESIA!

 
(Dos burgueses inteligentes, é claro).

A filosofia ocidental nasceu na Grécia. Certo, mas a onde exatamente? A Grécia antiga era grande como um império. Hum...

Na área mais comercial.
De repente aqueles pequenos comerciantes cresceram e aumentaram de número e poder. Novas cidades e novas instituições políticas tornaram-se precisas. Liberdade política e comércio forte. O dinheiro dava segurança e a liberdade política a oportunidade àquele novo modo de pensar e viver.Os ricos latifundiários já não eram tão importantes assim. A Grécia já não era mais predominantemente agrícola.

E assim a filosofia nasceu. Na periferia, nas pequenas colônias mais ao oriente e se espalhou até alcançar o centro; Atenas. Comércio forte e variado. Instituições políticas onde o homem-cidadão vivia o seu mundo.

sábado, 20 de outubro de 2012

sobre amor e família

olhar na mesma direção
dançar sempre
dançar sempre
dançar sempre
dançar sempre!
comer juntos
conversar bastante
ter com o q conversar
querer conversar
n ter medo de puxar uma conversa
...

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

VOCÊ CONHECE O ORFEU SIM!


A sede de infinito é insaciável. Não é óbvio? Isso vale para nós e valia para os gregos antigos.

Aquela religião racional e sensata, tão bem representada por Homero e Hesiódo não era suficiente... Era preciso mais. Não algo oposto, mas algo complementar.

Olhem que coisa familiar nós temos aqui:

1) A morte não é o fim;

2) Nós temos uma alma e ela veia até nós por causa de uma

3) Culpa Original;

4) Através de reencarnações e mais reencarnações

5) Essa mesma Alma vai se purificando cada vez mais.

6) Mas essas reencarnações não são muito legais, há uma maneira de acabar com elas: vida de acordo com os ensinamentos do orfismo.

7) Existem prêmios além da morte, no além, para quem é um bom órfico e

8) Existem castigos também para quem não pratica o orfismo, castigos no além.

Orfismo vem de Orfeu, um poeta lendário.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

OS SEGREDOS DO CORAÇÃO PAGÃO


O amor, o respeito pela poesia;

Duas formas formas de religião (no mínimo);

Se a política não nos fornece liberdade, a filosofia fica triste;

Homero: harmonia, o cosmo inteiro presente e os personagens agora tem sua psicologia destacada;

Hesíodo: inédita explicação racional para a origem de tudo, do cosmos e de todos os deuses; e o elogio ao ideal de justiça;

“Na justiça estão compreendidas todas as virtudes.” – Focílides.

A mais sedutora lição da moral grega: para fugir dos perigos do excesso e dos perigos da falta, busquemos a justa medida;

Existe um universo dentro de você, mergulhe!

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A IMPRENSA E FERNANDO COLLOR (0 de 4)

MARILENE FELINTO: Saudade de ler os seus textos na Folha.


(Obrigado Mario Sergio Conti e Companhia das Letras!).

A coisa que mais me agradou no livro "Notícias do Planalto - A Imprensa e Fernando Collor" foram as fotografias. Fotografias em que podiam ser vistos os poderosos invisíveis, também chamados “jornalistas”.

Claro que os segredos revelados a respeitos dos bastidores são importantes, mas conhecer o rosto de tantos repórteres, colunistas e editores-chefes... Ah!, Isso é simbólico de mais.


A LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 5:
(Obrigado Lord Francis William e Abril Cultural!).

A natureza sempre dirá a última palavra, sempre.
A sua rede de comunicação, pode ser cheia de rádios, jornais... Você pode jantar com governadores, presidentes... Não importa: a geografia vai mandar em você.

Quanto maior o território, quanto mais amplo for o alcance do veículo de comunicação: maior a sua chance de fracassar em sua tentativa de se comunicar a todos da mesma maneira. A Rede Globo de Televisão é muito carioca, a Rede Bandeirantes de Televisão é muito paulistana; a necessidade de nivelar, universalizar a linguagem é terrível.



LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZÔNIDAS 5:

Uma pergunta inocente:
quando o Lúcio Flávio Pinto sofreu mais com os processos judiciais movidos por quem não quer dialogar:
(A) Durante o Regime Militar.
(B) Depois, durante o Regime Democrático.
Pois é agora, em plena democracia, em plena liberdade, é que chovem processos sobre a cabeça do Lúcio Flávio Pinto.

Só por ele dizer a verdade. Por dizer que estão destruindo a Amazônia. Que é possível compar terras no Pará da maneira mais bizonha possível! Que o que aconteceu em Araguaia-Tocantins é um crime contra a natureza. E que conseguimos superar o que aconteceu lá, inclusive!

Ei, organizações não governamentais ingênuas; para onde que você acreditam que vão parar toda aquela madeira apreendida pela justiça? Todos aqueles carnavais para recuperar aquela madeira extraída de maneira ilegal e vocês ficam satisfeitos muito rapidamente...

As incoerências da vida. Do jornalismo. Olhe o caso da Marilene Felinto e o jornal Folha de S. Paulo. A Marilene foi punida pelos erros ou pelos... Acertos?


NIETZSCHE APAIXONADO 5:

Filósofos - o que são? Talvez sejam jegues obrigados a carregar um peso terrível. Triste isso, mas essa é uma escolha consciente deles.

CREDITO DA FOTO USADA NO COMEÇO DO TEXTO:
A fotografia do rosto de Marilene Felinto não esta creditada no site em que a encontrei, o Releituras. Como escrevi antes, acho que quando isso acontece é porque a fotografia é a que aparece em algum livro da autora. É mesmo fácil a autoria de uma fotografia popular, e essa é bastante popular, se perder.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

RICOS, MAS ESTÚPIDOS

ORIGEM DO BRASIL: João Luís Ribeiro Fragoso. 


“Homens de Grossa Aventura: Acumulação e Hierarquia na Praça Mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830)” – João Luís Ribeiro Fragoso. Editora Arquivo Nacional.

“O Arcaísmo como Projeto” - João Luís Ribeiro Fragoso e Manolo Florentino. Editora Diadorim.

Não bastava ser egoísta, aqueles ricos comerciantes tinham que ter ideias econômicas idiotas para um país. Aliás, eles viam o Brasil como país? Eles não investiam, não pensaram a longo prazo.

Enriqueceram sim, mão não junto com o país. Esse erro é a base econômica e a base do Estado Brasileiro.

Sim, a coroa portuguesa sugava a nossa riqueza igual a um parasita infecto. Mas as causas são outras também. Nossos primeiros brasileiros de destaque também são culpados.
Economia baseada em
Trabalho escravo,
Em preguiça,
Repúdio ao trabalho braçal,
Em negócios a curto-prazo com a coroa portuguesa,
Aluguel de imóveis e etc.
Nossos homens ricos eram senhores feudais! Pensavam assim.
Nada de livre mercado, nada de sonhar com um Brasil industrial.

OS ESCRAVOS E SEUS SENHORES:
Cada caso era um caso. As relações eram bem complexas. Uma desgraça, mas uma desgraça bem complexa.
Não se podia usar a tortura o tempo todo, era arriscado e era necessário negociar. Muitos escravos eram terceirizados, alguns juntavam até algum dinheiro e as vezes a crueldade dos senhores eram casos de polícia.
É mesmo apaixonante a história do Brasil.


A LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 4:
(Obrigado Lord Francis Williams e Abril Cultura!)

Com a entrada de William Randolph Hearst, temos os dois papas do jornalismo popular: Hearst e Lorde Northcliffe.

Apesar de Hearst ser o primeiro daquela linhagem de reis da imprensa que sabiam como colocar a opinião pública sob seus pés, o revolucionário mesmo foi o britânico. Alfred Harmsworth, mais tarde Lorde Northcliffe, ensinou como os jornais poderiam ser vendidos a um preço baixo como nunca: bastava investir em anúncios em suas páginas.

E assim foi. Preços baixos, circulação enorme, propagandas eram muito vistas e assim os anunciantes pagavam muito alto para anunciar.

Estou falando muito de jornal. Claro que existiam também as revistas populares. Quando pensam na quantidade de títulos e que a imprensa popular tornou-se rapidamente uma moda mundial, fico com vontade de visitar uma banca de jornal lá no início do século XX.


LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZONIDAS 4:

Milhões e milhões de hectares compradas de maneira suspeita, estranha. Aí você denuncia. Pede maiores esclarecimentos. A justiça em vez de ajudar ou mesmo responder, faz chover processos sobre sua cabeça. E o suspeito é que denunciou a manobra suspeita! Inverteram tudo!

Um outro autor legal, bacana de conhecer: Nelson Traquina.


NIETZSCHE APAIXONADO 4:

Você pede desculpa. Você aprende. Ponto. Ponto final! Agora, por favor, por favor mesmo; não sinta remorso.

CRÉDITO DA FOTO UTILIZADA:
A foto do João Luís Ribeiro Fragoso não esta com créditos na matéria "Já estava tudo lá", de Paulo Moreira Leite e publicada pela Revista Veja na sua edição de 26 de maio de 1993; a qual me inspirei para escrever. Uma outra ilustração da matéria, a reprodução de um quadro, também não esta. Acho que quando é assim é porque a fotografia é uma reprodução da que esta no livro. Se bem que nesses casos, o pessoal coloca "divulgação" na hora dos créditos. Coisa que deixa os fotógrafos com muito ódio, diga-se de passagem.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

PEQUENA DOSE DE CONVERSA

Traduzi errado: não é "conversa estranha", é "conversa séria". Meu inglês é péssimo. Minha organização de vida é péssimo. Nem as coisas que gosto faço direito. Acho que acredito em nada.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

A CESTA BÁSICA E O PORSHE

A costeleta de nozes que mudou o mundo: Lady Newnes e seu marido, George Newnes

O cara tinha vergonha, entende? Era direito dele receber a sua cesta básica todo mês. Mas como ele tinha vergonha de ir pessoalmente, mandava o filho. E o filho ia. Ia de carro. De Porshe.

O cara era um deputado federal e a cesta básica era de um emprego – digamos assim – bizonho. O país é a nossa querida República Federativa do Brasil.

O livro é “3000 Dias no Bunker”, do jornalista Guilherme Fiúza. Editado pela Record, esse deve ser um dos pequenos livros que revelam grandes segredos dos bastidores de Brasília. A história do início é apenas uma amostra insignificante. Merece ser lido.

Outra coisa: o Roberto Pompeu de Toledo é bom. Embora lendo as matérias antigas, eu o prefira sendo jornalista mesmo. Seu lado colunista não é tão fabulosos assim.

A LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 3:
(Obrigado Abril Cultural e Lorde Francis Williams)

A culpa é das costeletas de nozes da mulher do George Newnes.
Newnes queria um jornal cheio do que ele chamou de “pequenas notas interessantes”. Isso, em vez daqueles longos e complicados textos jornalísticos.

O nosso pequeno comerciante de Manchester procurou, mas ninguém gostou da ideia. Entra em cena a nossa brava Priscilla J. Hillyard, a Lady Newnes. As costeletas de nozes era o sucesso de seu restaurante vegetariano e com esse dinheiro e apoio de sua mulher, Newnes funda o “Tit Bits”. Pronto, nascia o jornalismo de massas.

Um dos primeiros ajudantes de George Newnes se tornaria um gigante e primeiro papa desse tipo de jornalismo. Estamos falando de Alfred Harmsworth, o Lorde Northcliffe. Com Lorde Northcliffe temos basicamente tudo:
Textos mais curtos,
Muita propaganda,
Fofocas e pouca política,
Espaço para a nova mulher que surgia,
Muito espaço para os esportes...

Já estava tudo pronto. Como seria se os britânicos vegetarianos não gostassem de costeletas de nozes? Nós nunca saberemos!


LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZÔNIDAS 3:

“A mais impressionante é um empréstimo de 102 milhões de dólares, tomados no final do ano passado junto à agência do Banco do Brasil em Grand Cayman, nas Bahamas.” – Lúcio Flávio Pinto em “Jornalismo na Linha de Tiro (De grileiros, Madeireiros, Políticos, Empresários, intelectuais & poderosos em geral)".

Entenderam? O nome completo é “Grand Cayman” e não apenas “Cayman”. Affz!

NIETZSCHE APAIXONADO 3:

Há mais coisa entre mim e a multidão do que sonha minha vã soberba.
Não me levem a mal, mas nos relacionamentos humanos também há – como nas relações econômicas – uma “mão invisível”, um regime de “Laissez-faire, laissez-passer” (“Deixe fazer, deixe passar”, em francês). Parece que entre humanos o negócio é liberal.

Um egoísmo vital. Não posso amar você, se eu não me amar primeiro. Eu te amarei, se eu me amar primeiro. O pacote deve ser completo, meu amor. Eu não poderei apagar o meu “eu”. Se conseguisse não seria bom para você e para o mundo. É assim, meu amor.

CRÉDITOS DAS IMAGENS UTILIZADAS NA PRIMEIRA ILUSTRAÇÃO:

A foto antiga é da Lady Newnes (Priscilla J. Hillyard) e foi encontrada neste blog que parece ser bem inteligente: Chess.
Já o desenho do nosso querido George Newnes foi encontrado aqui: Willkemp.

domingo, 7 de outubro de 2012

COLLOR E MENSALÃO: FUI INJUSTO COM A VEJA?

Jack Anderson, Lula por João Bittar e revista Veja.
 
A revista Veja foi a mesma diante do “Caso Collor” e do “Caso Mensalão”?

Não tenho informações suficientes para ter certeza ou mesmo emitir uma opinião razoável; mas tenho a impressão que pelo menos no “Caso Collor” a revista da Abril pegou e pegou muito pesado.
Tenho diante de mim a terceira matéria que li sobre Collor (“Corrupção julgada”, edição do dia 7 de dezembro de 1994).

O “mais complexo caso” do Supremo Tribunal Federal, críticas duras a supostos erros que ministros do STF e outros da área teriam cometido (e citando nomes e o que eles DEVIAM ter feito! Uau!)

Posso estar exagerando, mas a impressão que eu tive é que os repórteres da Veja sabiam tanto ou mais que o Ilmar Galvão e o Aristides Junqueira!

-Cala a boca e vai à biblioteca pegar emprestado o livro de Mario Sergio Conti, o “Notícias do Planalto”.


A LONGA VIOLÊNCIA: A HISTÓRIA DO SÉCULO XX 2:
(Obrigado Abril Cultural e Lorde Francis Williams)

Eu assino um jornal que já provocou uma guerra entre Estados Unidos e Espanha só para me agradar. Cuba ficaria livre e eu tive narrativas emocionantes para ler no café da manhã. Agora o detalhe: Hearst fez aquela campanha toda contra a Espanha, quando o jornalismo popular mal tinha nascido. (O conflito armado entre Estados Unidos e Espanha começou em 19 de abril de 1898. Obviamente que não foi só as mentiras atraentes de Hearst que foram a causa, mas a demonstração de força de sua imprensa foi magnífica).

Os países ricos começaram a popularizar a educação e a comunicação de massa respondeu imediatamente. Novo público, novo jornal.

Isso parece óbvio hoje, mas naquela época, eu imagino, que aqueles primeiros heróis (como o P. P. O´Connor da “Star” diante do onipotente “The Times”), não podiam imaginar do que seriam capazes.


LÚCIO FLÁVIO PINTO E SUAS LIÇÕES AMAZÔNIDAS 2:

Era só o Lúcio escrever alguma crítica ao governo do Pará, que os ataques impressos vinham. E eram ataques – como se diz? – “abaixo da linha da cintura”. Não deixa de ser uma vitória e um sinal de que Lúcio estava no caminho certo. Algo amargo e doloroso, claro, mas não deixa de ser isso.

Jack Anderson, um jornalista a ser conhecido e uma observação sua: democracia não é velório, precisamos que a oposição saiba fazer barulho.

O Processo Aurá (1988): um escândalo a ser conhecido.

Sonegação fiscal? Caramba, hoje em dia a gente quase não vê mais isso na televisão. Quando eu era criança era o tempo todo isso. “Tráfico de influência” é outra expressão que eu ouvia bastante também.

Uma coisa é o governo ajudar a diversidade dos meios de comunicação, outra coisa muito diferente é fazer propaganda em jornais impressos de quinta categoria. Aí é ser cúmplice!

NIETZSCHE APAIXONADO2:

Há vitaminas e pepitas de ouro em toda parte. É um encontro da ecologia e do Nietzsche: não desperdiçar e reciclar.

A fé também precisa ser lembrada, pois devemos confiar na capacidade infinita de nossos anticorpos em aprender a vencer a todos os males. Resfriados, coração partido e crenças antinaturais que agridem o nosso corpo.

Ser cada vez mais forte? É mais fácil do que parece.

CRÉDITOS DAS IMAGENS USADAS NA FOTOMONTAGEM:
A foto do jornalista estadunidense Jack Anderson é de autoria desconhecida, mas o site em que eu consultei, Nieman Reports, escreve que é da The Associated Press.

A foto do ex-presidente Lula é do fotógrafo João Bittar. Uma foto clássica, podemos dizer. Encontrei ela neste blog aqui: Blog do festfotopoa.

sábado, 6 de outubro de 2012

UM AMOR FAVORITO

Eu nunca irei saber a origem de meu interesse por seu personagem.
                                  E eu nunca irei querer
                                               Saber.
 
 
 
Eu nunca irei saber a origem de meu interesse por seu personagem.
E eu nunca irei querer
Saber.
 
 
A Globo não entrevista o cara do PCO e a mulher do PSTU. Foi pra isso que temos democracia?
 
 
Hugo Chaves provavelmente vai perder dessa vez. É essa certeza que mandou os correspondentes da Globo e da Bandeirantes à Venezuela?
 
 
Acho meigo essa luta contra o voto em branco e voto nulo. Mas não vale falar bobagem: que ganha eleição tem que governar para todos. Ouviu MGTV Segunda Edição? "Depois não adianta reclamar". Como assim, apresentadora? O cidadão reclama quanto quiser.
 
 
Acho que já sei o que fazer deste blog.